Inteligência Competitiva Tecnológica: Microsoft Teams turns 1, advances vision for Intelligent Communications

This week marks the first anniversary of the worldwide launch of Microsoft Teams. In that time, Teams has grown significantly in both new capabilities and customer usage. Today, 200,000 organizations in 181 markets and 39 languages use Teams, including A.P. Moller–Maersk, ConocoPhillips, Macy’s, NASCAR, Navistar, RLH Corporation, and Technicolor. General Motors is also now using Teams; read more about their story.

This week marks the first anniversary of the worldwide launch of Microsoft Teams. In that time, Teams has grown significantly in both new capabilities and customer usage. Today, 200,000 organizations in 181 markets and 39 languages use Teams, including A.P. Moller–Maersk, ConocoPhillips, Macy’s, NASCAR, Navistar, RLH Corporation, and Technicolor. General Motors is also now using Teams; read more about their story.

Teams for Intelligent Communications and Collaboration

Over the last year, Teams has evolved to become the ultimate hub for teamwork. Built on the strength and scale of Office 365 with over 120 million users, Teams delivers chat-based collaboration, meetings, calling, and soon, full enterprise voice features. All of this is underpinned by the Microsoft Graph, allowing for rich AI capabilities. As part of Office 365, Teams uniquely delivers these capabilities at scale, with enterprise-grade security and compliance standards to meet the needs of a global business.

To advance our vision for Intelligent Communications, we are announcing new Teams features coming later this year, including:

  • Cloud recording—Will provide one-click meeting recordings with automatic transcription and timecoding, enabling all team members the ability to read captions, search within the conversation, and playback all or part of the meeting. In the future, it will also include facial recognition, so remarks can be attributed to specific meeting attendees.
  • Inline message translation—People who speak different languages will be able to fluidly communicate with one another by translating posts in channels and chat.
  • Cortana voice interactions for Teams-enabled devices—Will enable you to easily make a call, join a meeting, or add other people to a meeting in Teams using spoken, natural language. This functionality will extend to IP phones and conference room devices.
  • Background blur on video—The ability to blur your background during video calls will allow other meeting attendees to focus on you, not what’s behind you.
  • Proximity detection for Teams Meetings—This feature will make it easy for you to discover and add a nearby and available Skype Room System to any meeting.
  • Mobile sharing in meetings—Meeting attendees will be able to share a live video stream, photos, or the screen from their mobile device.

These new capabilities build on the breadth of new features that have come to Teams in the last year, including guest access, new ways to interact with apps, and new meeting and calling capabilities.

Today, we are also announcing new enterprise-grade calling features in Teams, including consultative transfer and call delegation and federation. In addition, we’re introducing Direct Routing, which will enable customers to use their existing telephony infrastructure with Teams for calling. When you combine a Microsoft Calling Plan or Direct Routing with our Phone System for Office 365, Teams becomes a full voice service. These new capabilities are expected to be available in the second quarter of 2018.

Intelligent Communications for your devices

Hardware plays a critical part in delivering consistent, high-quality video and voice experiences. We are announcing that Teams is now enabled for a full spectrum of calling and meeting room devices, including:

  • Microsoft collaboration devices—Microsoft Surface Hub is a powerful all-in-one large-screen team collaboration device. Microsoft Teams will be natively supported on Surface Hub, enhancing the capabilities of Teams in huddle spaces and meeting rooms equipped with Surface Hub.
  • Meeting room systems—Lenovo and HP join existing partners Logitech, Crestron, and Polycom to transform the conference room experience with rich audio, HD video, center-of-room control, and one-touch join. All Skype Room Systems will support Teams meetings.
  • Connections to existing equipment—Teams will certify new solutions from BlueJeans, Pexip, and Polycom to support interoperability for meetings in Teams with existing hardware investments.
  • Desk and conference phones—New desk phones from AudioCodes and Yealink—and new conference room phones from Crestron, Polycom, and Yealink—run a native Teams application for consistent and streamlined calling experiences.
  • Mobile phone stations—New mobile phone stations from Plantronics combine the Teams experience with desk phone capabilities for the mobile user.

To learn more about the portfolio of Teams-powered devices and the roadmap dates, visit the Microsoft Tech Community blog.

Growing ecosystem of Teams apps

No ecosystem would be complete without the apps that make it thrive. We recently released a new store in Teams featuring a wide array of tools and services from our partners. Some of the most popular apps among Teams customers include Adobe Creative Cloud, Hootsuite, InVision, Polly, SurveyMonkey, Trello, Wrike,, and many others.

Hear it from our customers

As we celebrate our first birthday, what’s most exciting are the stories of companies like RLH Corporation, Technicolor, and General Motors, for which Teams is truly changing the way people come together, innovate, and move business forward.

  • RLH Corporation—In 2014, when Greg Mount took on the role of CEO at RLH Corporation, parent company to hotel brands like Red Lion Hotels, GuestHouse, and America’s Best Value Inn, he shifted the company’s strategy to move from being a Pacific Northwest regional brand to being a nationwide one. Since then, RLH Corporation has acquired multiple hotel brands, growing from 62 to over 1,100 hotels in just three years. To address change management and help drive a consistent culture within the company, RLH Corporation started using Teams last year. They looked at other chat-based collaboration tools, but because they were already using Office 365 and Power BI, Teams was the clear choice. Now, all corporate employees use Teams. The leadership team has moved from a more in-person and paper-based process for communications to more real-time interaction and data flow.
  • Technicolor—A leader in the media and entertainment sector, Technicolor has used Teams within the Production Services CTO office to provide a new way for employees to collaborate around all things technical—from strategy to purchasing and everything in between. Technicolor Production Services business units are also starting to use Teams for high profile projects that require greater transparency and collaboration across many time zones and global offices, reducing the number of recurring meetings and flow of information internally and benefiting from a sole source of truth with cloud documents. Technicolor Production Services plans to expand its usage within other parts of its organization.
  • General Motors—Here’s what Fred Killeen, CTO at General Motors, had to say about Teams: “Our mission to transform transportation relies on strong teamwork across every aspect of our business. Teams enables our employees to connect across geographical and organizational boundaries through a single place to access all the conversations, files, and content. Teams’ integration with the rest of Office 365 and third-party applications and services makes it easier for our employees to find relevant information and do their best work on their own and as a part of a team.”

Infographic celebrating Microsoft Teams' one-year anniversary.

As we celebrate our first year in market, we are thankful to our customers, partners, and of course those of you who have become avid Teams users for coming on this journey with us. We look forward to continuing to bring you experiences that enable your teams to achieve more together.

Tune in to Microsoft’s keynote at Enterprise Connect this week to hear what’s next in our vision for Intelligent Communications. Watch it live Wednesday, March 14, 2018, at 10 AM EST or watch on-demand at: Enterprise Connect keynote.

Source: Lori Wright, general manager for Microsoft Teams and Skype. on 


Inteligência Competitiva Tecnológica: SXSW 2018 mostra como será sua vida nos próximos anos

Festival South by Southwest, mais conhecido como SXSW acontece na cidade de Austin, no Texas. Evento reúne vários festivais de música, filmes, games, comédia e educação. (Foto: Reprodução Facebook)


South by Southwest (SXSW) começou oficialmente na sexta-feira (09/03). O evento, realizado em Austin, no Texas (EUA), será realizado até 18 de março e é referência mundial em tecnologiainovação e economia criativa.


Os assuntos discutidos durante a conferência costumam antecipar tendências do que irá transformar o mundo nos próximos anos.

Em 2018, as palestras, painéis e exibições que se espalham pela capital do Texas abordarão temas como o crescimento do uso do blockchain, o amadurecimento do mercado da realidade virtual e a onipresença da inteligência artificial em nossas vidas.

Dentre os palestrantes do SXSW, destacam-se nomes como Michael Dell, fundador da empresa de tecnologia que leva seu sobrenome; Melinda Gates, cofundadora da Fundação Bill e Melinda Gates; Spike Lee, cineasta; e Miguel McKelvey, cofundador da rede de escritórios compartilhados WeWork.

O Brasil tem uma participação significativa no SXSW – é a segunda maior delegação de estrangeiros no evento. Segundo a Apex-Brasil, os empreendedores do país devem movimentar US$ 41 milhões durante a conferência.

O SXSW contará com uma cobertura especial de Época NEGÓCIOS. Fique ligado no nosso site e nas redes sociais e saiba o que de mais legal está acontecendo por lá.

Fonte: Época Negócios

Inteligência Competitiva Tecnológica: 10 avanços da tecnologia para ficar de olho em 2018, segundo o MIT

O computador quântico da IBM (Foto: Reprodução/Instagram)

Duelo de redes neurais, embriões artificiais, inteligência artificial na nuvem. Desde 2001, a MIT Technology Review faz uma lista anual dos principais avanços tecnológicos que vão afetar profundamente a vida das pessoas. Veja o que nos aguarda em 2018:

Impressora 3d (Foto: Thinkstock)

Impressão 3D de metais
A impressão 3D já existe há décadas, mas ainda é mais usada como hobby ou para a produção de protótipos. E imprimir qualquer coisa que não fosse plástico – especialmente metal – era caro e demorado. Agora, contudo, o preço está caindo e a impressão está se tornando tão mais fácil que pode ser usada de forma mais prática na produção de itens. Se for amplamente adotada, isso pode mudar o modelo de produção industrial.

No curto prazo, diz o MIT, as indústrias não precisarão mais manter grandes estoques. No longo prazo, grandes fábricas que produzem em massa uma quantidade limitada de peças podem ser substituídas por plantas menores com maior variedade de produtos e que possam se adaptar às necessidades dos consumidores.

Embrião artificial criado a partir de células-tronco de ratos (Foto: Universidade de Cambridge)

Embriões artificiais
Em um avanço que redefine a forma como a vida é criada, embriologistas da Universidade de Cambridge conseguiram criar embriões de ratos usando apenas células-tronco de outro embrião, sem óvulo ou espermatozoide algum. Os pesquisadores colocaram as células em um molde tridimensional e elas começaram a se comunicar e a se alinhar, tomando a forma de um embrião de vários dias. “Nós sabemos que o potencial das células-tronco é mágico. Mas não sabíamos que elas podem se organizar de forma tão bonita e tão perfeita”, afirmou Magdelena Zernicka-Goetz, líder do time de pesquisa. Ela afirma que os embriões sintéticos provavelmente não poderiam se tornar um rato no futuro, mas o feito dá uma dimensão de que pode ser possível criar mamíferos dessa forma. O próximo passo é criar um embrião usando células-tronco humanas, em um processo de pesquisa que já foi iniciado nas universidades do Michigan e de Rockefeller. Isso vai ajudar os cientistas a entenderem o processo de diferenciação das células.

cidades inteligentes (Foto: Thinkstock)

Cidades sensíveis
Vários projetos de cidades inteligentes estão atrasados, reduziram os seus objetivos ambiciosos ou excluíram todos que não são ricos. Mas um projeto em Toronto, chamado Quayside, pretende mudar esse histórico de fracassos nas tentativas de repensar o urbanismo. O Sidewalk Labs, da Alphabet, está colaborando com o governo canadense no projeto. Um dos objetivos dele é basear as decisões sobre design, política e tecnologia em dados de uma extensa rede de sensores, que recolheram informações sobre a qualidade do ar, o nível de ruídos e as atividades das pessoas. O projeto prevê que todos os veículos serão autônomos e compartilhados. Robôs irão caminhar no subsolo para fazer coisas como entregar cartas. E todos os softwares e sistemas serão abertos, para que as pessoas possam criar outras soluções em cima da ferramenta.Tecnologia ; inteligência artificial ; AI ; IA ; inovação ; (Foto: Thinkstock)


Inteligência artificial para todos
A inteligência artificial por enquanto foi usada principalmente por grandes empresas de tecnologia ou startups. Mas, para a maioria das empresas, a inteligência artificial ainda é muito cara e difícil de ser implementada. Hoje, no entanto, ferramentas de aprendizado de máquinas baseadas na nuvem estão levando a IA a um número cada vez maior de pessoas e empresas. Não está claro qual será a companhia líder nesse segmento, mas Amazon, Google e Microsoft estão trabalhando para assumir a dianteira. Afinal, há grandes oportunidades. O aprendizado de máquina será essencial para a revolução da inteligência artificial e sua disseminação em diferentes áreas. A tecnologia no futuro poderá trazer mais eficiência para setores como medicina, indústria e energia.

Redes neurais em duelo
A inteligência artificial é muito boa para identificar coisas. Entre um milhão de imagens, consegue destacar a de um pedestre atravessando a rua. Mas a tecnologia ainda não consegue gerar a imagem de um pedestre sozinho. Se isso fosse possível, ela poderia criar imagens realistas de pedestres em vários cenários, onde a tecnologia dos carros autônomos poderia ser treinada sem que fosse necessário colocar o automóvel na rua, por exemplo. O problema é que criar algo completamente novo requer imaginação – e até agora os robôs não conseguem ser criativos. Mas uma possível solução foi criada por Ian Goodfellow, da Universidade de Montreal, em uma discussão em 2014.

A abordagem, conhecida como rede contraditória generativa (GAN, na sigla em inglês), usa duas redes neurais e coloca uma contra a outra como em um jogo. As duas redes têm o mesmo repertório de dados. Uma delas, conhecida como geradora, tem a tarefa de criar variações em imagens que já conhece – como um pedestre com três braços, por exemplo. A segunda, discriminadora, deve identificar se a imagem é real ou se foi criada pela rede geradora – basicamente, precisa dizer se essa pessoa com um braço a mais é real.

Com o tempo, o gerador se torna tão bom em produzir imagens que o discriminador não consegue detectar as falsas. Essencialmente, o gerador aprende a reconhecer e criar imagens realistas de pedestres. Essa tecnologia é considerada um dos maiores avanços da inteligência artificial na última década, e conseguiu gerar imagens que enganam até mesmo os humanos. Mas os resultados não são sempre perfeitos. Os GANs podem criar bicicletas com dois guidões ou rostos com a sobrancelha no lugar errado.

Pixel Buds, o fone de tradução simultânea do Google (Foto: Divulgação)

Fones de tradução simultânea
Pode até parecer ficção científica, mas o Google criou um fone que traduz quase em tempo real, o Pixel Buds. Uma pessoa usa o fone e fala em sua própria língua, enquanto outra segura um celular, que reproduz o que foi falado no idioma escolhido. A pessoa sem o fone responde, e o tradutor repete na língua escolhida diretamente no fone. Alguns aplicativos já faziam coisas similares, no entanto, dependendo do nível de ruído ambiente, tinham dificuldade de entender o que foi dito ou quando a pessoa parou de falar e é hora de fazer a tradução. Mas o Pixel Buds não tem esse problema, porque o usuário pressiona um botão quando está falando. Outro benefício é que é possível olhar nos olhos da outra pessoa. Ainda há problemas com o dispositivo, mas que podem ser corrigidos.

Gás natural sem carbono
O mundo ainda depende do gás natural como uma das principais fontes para se produzir eletricidade, e isso não deve mudar no futuro próximo. Barato e disponível, o combustível é a origem de 22% da geração de energia do mundo. Mas as emissões de carbono são preocupantes. Uma usina nos EUA está testando uma tecnologia que poderia tornar o gás natural uma energia limpa, capturando todo o dióxido de carbono gerado.

A usina coloca o gás carbônico produzido na queima do gás natural em uma câmara de alta pressão e alta temperatura. O fluido que resulta desse processo é usado para movimentar uma turbina. Dessa forma, a maior parte do dióxido de carbono poderia ser reciclada continuamente.

ciberataque - hacker - ataque - cibersegurança - computador - vírus - hackers (Foto: Kacper Pempel/Reuters)

Privacidade online
Uma ferramenta de privacidade vai permitir que o usuário prove que tem mais de 18 anos sem revelar sua data de nascimento, ou que tem dinheiro o suficiente para fazer uma transação financeira sem precisar compartilhar detalhes de sua conta bancária. Isso limita o risco de roubo de identidade. Trata-se de um protocolo criptografado conhecido como prova de conhecimento zero.

Apesar de vários pesquisadores trabalharem em uma tecnologia similar há anos, a prova de conhecimento zero foi criada com o Zcash, uma moeda digital lançada no final de 2016. Seus desenvolvedores desenvolveram um método conhecido como zk-SNARK para que os usuários da moeda pudessem fazer transações anonimamente. Isso não é possível no caso da maioria das criptomoedas, como o bitcoin, porque nelas as transações são visíveis a todos – ainda que teoricamente sejam anônimas, é possível chegar à identidade de um usuário cruzando os dados da rede.

Para os bancos, essa tecnologia pode ser uma forma de usar o blockchain em sistemas de pagamentos sem sacrificar a privacidade dos clientes, por exemplo.

Estrutura do DNA (Foto: Thinkstock)

Adivinhação genética
Após anos de enormes estudos genéticos – alguns dos quais envolveram mais de um milhão de pessoas – a ciência comprovou que a maioria das doenças mais comuns, comportamentos e traços de personalidade são ditados pelos genes. Os cientistas estão criando uma “análise de risco poligênica”. Apesar de os testes de DNA oferecerem probabilidades, e não diagnósticos, eles podem ajudar a medicina. Por exemplo, se uma mulher tem mais chances de desenvolver câncer de mama, precisa fazer exames com mais frequência do que uma com pouco risco de ter essa doença. As farmacêuticas também podem usar essa análise para desenvolver remédios preventivos para doenças como Alzheimer ou problemas cardíacos. Escolhendo voluntários com maiores chances de ter a doença específica, os pesquisadores podem avaliar os testes de forma mais precisa.

O problema é que as previsões não são perfeitas. Quem quer realmente saber se pode desenvolver Alzheimer? E se uma pessoa com baixo risco de câncer deixar de fazer os exames periódicos e acabar com a doença? Outra questão controversa é que a análise de genes pode prever qualquer traço, não apenas doenças. Por exemplo, pode prever cerca de 10% do desempenho de uma pessoa em testes de QI. Como os pais e educadores irão usar esse tipo de informação para a educação das crianças?

O salto da computação quântica
A computação quântica traz um enigma. Ela será capaz de realizar tarefas impensáveis para as máquinas atuais, mas ainda não sabemos para que usar todo esse poder. Segundo o MIT, uma possibilidade será desenhar moléculas precisamente. Os químicos sonham com proteínas novas para criar drogas mais eficazes, eletrólitos para baterias melhores, compostos que transformam a luz do sol em combustível líquido e painéis solares mais eficientes. Isso ainda não é possível porque desenvolver uma molécula em um computador convencional é difícil demais. Simular o comportamento de elétrons em moléculas relativamente simples já é complexo demais para os computadores atuais. Mas esse será um cálculo natural para os computadores quânticos, que em vez de usar bits que representam 1 ou 0, utilizam qubits, que são eles mesmos sistemas quânticos. Recentemente, pesquisadores da IBM usaram um computador quântico com sete qubits para desenhar uma pequena molécula feita de três átomos.

Fonte: 03/03/2018 – 12H28 – ATUALIZADA ÀS 12H29 – POR ÉPOCA NEGÓCIOS ONLINE 

Inteligência Competitiva Tecnológica: Inteligência artificial gera vantagem competitiva hoje, por Oscar Salazar

inteligência artificial (AI) foi, por muito tempo, vista como uma tecnologia inovadora e moderna, porém um investimento desnecessário do ponto de vista dos negócios. Hoje não mais. A AI emerge como um elemento chave para as estratégias de negócio em todas as indústrias. Em um recente relatório, a Forrester previu um aumento nos investimentos em AI de mais de 300% em 2017, em comparação com 2016.

No Brasil, a inteligência artificial já começa a ganhar orçamento próprio dentro das organizações. A busca pela redução de custos e aumento de produtividade vêm alavancando o uso de soluções que envolvem robôs capazes de conversar com os clientes e de sistemas que analisam milhares de dados em poucos segundos. O volume de recursos destinado a esse segmento no país vai aumentar mais de cinco vezes em 2018 em relação ao ano passado. 

O mais importante no momento é entender como essa tecnologia inovadora está permitindo que as empresas aproveitem seus dados para melhorar a eficiência e a produtividade no local de trabalho, ao mesmo tempo em que oferece resultados tangíveis do ponto de vista do negócio.

Inteligência artificial na área de Recursos Humanos

Os recursos humanos não são tipicamente uma área que nos vêm à mente quando pensamos em onde podemos aplicar inteligência artificial. Mas a tecnologia baseada em IA pode ajudar as organizações a classificarem muito mais rapidamente milhares de candidatos a emprego, em uma fração do tempo que levaria um ser humano. Especialmente nos dias de hoje, quando ferramentas de trabalho online permitem o disparo de aplicações de candidatos mais rapidamente do que nunca, as equipes de RH beneficiam-se dessa assistência da AI para triar algumas dúzias certeiras de candidatos a partir de um conjunto de centenas ou mesmo milhares de pessoas.

Claro que a inteligência artificial não pode tomar a decisão final da contratação – algumas etapas do processo requerem instinto humano inato. Dito isto, AI pode sim ampliar e otimizar o tempo disponível da equipe de recursos humanos, para que se concentrem em recrutar os profissionais mais adequados para uma entrevista, ao invés de perderem tempo selecionando e filtrando centenas de currículos de candidatos que definitivamente não se enquadram no perfil da vaga.

Inteligência artificial e a vantagem competitiva

A vantagem competitiva é provavelmente o maior (e mais óbvio) benefício que a inteligência artificial traz para as empresas. Uma recente pesquisa da Infosys com 1.600 executivos de negócios e de TI revelou que IA é uma prioridade de longo prazo, com 76% dos entrevistados concordando que essa tecnologia é “fundamental para o sucesso da estratégia de sua organização”. Veja a Ford Motors, por exemplo. No início de 2017 a empresa anunciou um plano para investir US$ 1 bilhão nos próximos cinco anos na Argo, uma startup de inteligência artificial focada em desenvolver tecnologia de veículos autônomos.

A Bosch é outra companhia que coloca a AI na vanguarda dos negócios com sua “fábrica do pensamento”, que habilita as máquinas alimentadas por IA a autodiagnosticar falhas técnicas, desencadear automaticamente o pedido de peças de reposição e antecipar as necessidades de manutenção. O ponto principal aqui é que, hoje, as empresas já estão enxergando valor no investimento em inteligência artificial. E aquelas que hesitarem a abraçar essa tendência correm o risco de nunca se recuperarem.

A inteligência artificial não é portanto a tecnologia do amanhã, pois já impacta na maneira como as empresas operam. A IA permite que as organizações tenham acesso a dados históricos em tempo real e tomem as melhores decisões em relação ao gerenciamento da força de trabalho, às estratégias de marketing, retenção de clientes, entre outras possibilidades, o que as torna mais aptas a atuarem nesse mundo cada vez mais complexo e competitivo.

Fonte: Oscar Salazar*, Computerworld

*Oscar Salazar é Vice Presidente de Vendas da ClickSoftware para América Latina.

Inteligência Competitiva Tecnológica: Porsche planeja construir carros voadores nos próximos anos

Porsche estuda criar e vender carros voadores

Porsche estuda criar e vender carros voadores

A Porsche está avaliando construir e vender carros voadores. Em entrevista a uma revista alemã Detlev von Platen, o chefe de vendas da marca, disse que o mercado de transporte aéreo urbano e de serviços de compartilhamento de viagens é interessante para as estratégias da companhia.

”Isso [construir carros voadores] realmente faz sentido. Passo ao menos uma hora no trânsito entre a fábrica da Porsche e o aeroporto, isso se eu tiver sorte. Voando demoraria apenas três minutos e meio, disse von Platen a publicação.

Segundo os planos da fabricante, os passageiros poderiam controlar o próprio veículo voador, mas não precisariam de uma licença de piloto. A dispensa acontecerá, segundo a empresa, porque muitas das funções do carro seriam automatizadas.

Mercado. A Porsche não é a primeira empresa interessada em produzir carros voadores para áreas urbanas. Entre os concorrentes está a empresa alemã Volocopter que já testou um pequeno táxi voador de dois lugares não tripulado em Dubai desde o ano passado. Integram a lista de concorrentes as empresas Daimler, Lilium Jet, eVolo, Terrafugia e Joby Aviation.

Fonte: Agências – Reuters, O Estado de S.Paulo, 05/03/2018 | 10h56 

Inteligência Competitiva Tecnológica: Inteligência artificial vai mudar todos os relacionamentos humanos

O historiador Andrew Keen, fala ao público durante debate da União Europeia

O historiador Andrew Keen, durante debate da União Europeia – Mélanie Wenger/ DLD

Quando descreveu os perigos da internet em seu primeiro livro há dez anos, Andrew Keen ficou conhecido como o anticristo do Vale do Silício, uma rara voz dissonante num momento em que o mundo parecia celebrar as maravilhas das redes sociais.

Em “O Culto do Amador”, o historiador que trocou seu Reino Unido natal pela meca do “big tech” na Califórnia, onde fundou uma série de start-ups que fracassaram, já falava na erosão da confiança em instituições que são pilares da sociedade moderna.

Ele previu a era das “fake news”, com a crise da mídia tradicional diante da ascensão da opinião de amadores na rede mundial, e o fim de certas experiências humanas, como a solidão e a privacidade, que desapareceriam num ambiente dado ao exibicionismo total.

Uma década depois, Keen aponta as consequências de um mundo inebriado pela internet em seu mais novo livro.

“How to Fix the Future”, recém-lançado nos Estados Unidos, descreve o quadro de medo e paranoia que domina a época atual e aponta a eleição de Donald Trump como fenômeno de um momento em que a crença cega na suposta transparência do ambiente virtual acabou gerando sociedades mais opacas.

Nesta entrevista, Keen comenta a crise de imagem do Vale do Silício, prevê um futuro controlado por inteligência artificial e aponta ameaças que o amor à tecnologia pode impulsionar, entre elas o levante de uma tecnocracia digital na China e de uma nova guerra fria causada por políticas digitais divergentes.

Folha – Seus livros e artigos são um alerta sobre os perigos da internet há uma década. Como vê a rede mundial hoje?

Andrew Keen – Tenho uma visão histórica sobre a revolução digital e a vejo como outras grandes mudanças tecnológicas e culturais do passado, como a Revolução Industrial e a Reforma Protestante, mas já não gosto mais de usar essa palavra internet.

A internet está em todos os lugares hoje em dia e provocou uma mudança profunda na forma como aprendemos, conversamos e administramos governos e os negócios.

É uma mudança tão forte quanto a Revolução Industrial, com a diferença que já não há crianças trabalhando em fábricas que cospem fumaça nem o surgimento de uma nova classe proletária.

Em vez disso, as empresas de tecnologia se tornaram as mais ricas e poderosas do planeta e estão todas concentradas na costa oeste dos Estados Unidos. Isso gerou outros níveis de riqueza e figuras como Jeff Bezos, o dono da Amazon que é talvez o homem mais rico da história.

O que está no horizonte como próxima fase dessa evolução?

Sempre tendemos a superestimar a velocidade com a qual a tecnologia pode mudar o mundo, mas acredito que nos próximos 15 anos a inteligência artificial vai mudar todas as indústrias e todos os relacionamentos humanos, por isso empresas como Google, Facebook e Amazon agora estão competindo para ver quem vai dominar essa área.

Mas acredito que pode até haver uma nova empresa, uma espécie de novo Google ou Amazon, que vai surgir e transformar todas as coisas.

A inteligência artificial já é uma realidade, não é só conversa ou uma propaganda vazia. E ela vai mudar a maneira em que pensamos sobre nós mesmos quando começar a substituir as pessoas em fábricas ou a servir fast food ou a trabalhar como médicos, advogados e até professores.

Os humanos podem se tornar obsoletos no futuro próximo?

Não penso isso, mas precisamos entender o que está acontecendo e desenvolver novas formas de agir. Na era das máquinas inteligentes e dos algoritmos, precisamos entender o que só os humanos ainda conseguem fazer.

Mas, enquanto essa reflexão não amadurece, acredita que a tecnologia e as redes sociais vão continuar a agravar o quadro de descrença em relação à política da atualidade descrito em seu livro mais recente?

A tecnologia não é o que levou Donald Trump ao poder ou o que está por trás da xenofobia. Mas a realidade é que a revolução digital criou outras formas de escassez. Há escassez de confiança e de capacidade de prestar atenção. Estamos confiando cada vez menos em todas as coisas.

Isso começou com a maneira como a internet gerou um fetiche em torno de amadores, minando nossa confiança em especialistas, curadores, profissionais e críticos. Foi a natureza democrática dessa tecnologia que nos levou a essa crise de confiança.

Trump é o presidente da internet. Ele representa os piores elementos das redes sociais, o narcisismo, a obsessão com o próprio ego, a inabilidade de ouvir. É o primeiro presidente antissocial.

Qual o antídoto para isso?

Mesmo que a tecnologia tenha provocado essa crise, acredito que nossa confiança possa ser reconstruída usando essa mesma tecnologia.

Seu livro dá exemplos bons e ruins de nações como Estônia e Cingapura, que estão ancorando seus governos em inovações tecnológicas. Quais são as vantagens e os perigos da ideia de país inteligente?

Nada é inevitável em relação à tecnologia, então tudo depende de como ela é usada. A Estônia é um bom exemplo de como um governo pode ser mais transparente com a tecnologia. Não é perfeito, mas está inspirando sistemas parecidos em todo o planeta.

O caso de Cingapura é mais preocupante porque há uma ausência de democracia, mas até o sistema paternalista deles parece funcionar melhor do que a democracia disfuncional que estamos vivendo agora nos Estados Unidos.

A China também está avançando nesse cenário e exerce grande controle sobre seus cidadãos censurando a internet e monitorando manifestações online. Como avalia isso?

O modelo de países inteligentes tem problemas, mas em todos eles há um grau de prestação de contas à sociedade que não existe na China.

Deveríamos estar bem mais preocupados com o caso chinês. Eles estão construindo um sistema orwelliano, em que o governo determina o destino das pessoas em termos de moradia, educação e privilégios sociais com base nos dados que tem sobre eles.

Eles estão se aproximando cada vez mais de um regime totalitário. É um pesadelo, uma tecnocracia digital onde os direitos individuais são ignorados.

No século 21, podemos ter uma nova guerra fria em que a base do conflito não será mais a diferença entre regimes econômicos e sim a maneira como cada país conduz as suas políticas digitais.

Mas mudanças como a decisão dos EUA de acabar com a neutralidade da rede não contribuem para um controle excessivo no resto do mundo?

Essa coisa de neutralidade da rede é uma ilusão completa, é “fake news” criada pela esquerda americana.

Eles sugerem que o perigo está no controle da rede por empresas como AT&T e Comcast, mas elas são minúsculas perto do Google e da Amazon.

Esse debate é um desperdício de tempo que só reflete o medo e a paranoia dessa época em que estamos vivendo.

A real ameaça à democracia está em como o Facebook e o Google se tornaram superpoderes globais enquanto o governo americano não funciona. Ninguém ali trabalha.

Você acredita que os EUA deveriam seguir os passos da União Europeia e impor mais restrições a essas empresas?

Os americanos sempre gostam de pensar que são mais avançados do que o resto do mundo, mas nesse ponto ficaram muito para trás em relação aos europeus. O século 21 já nos deu motivos para repensar as regras antitruste.

Haverá cada vez mais pressão para uma proteção maior de dados pessoais, como já existe na Europa. E penso que nas próximas eleições aqui os candidatos vão disputar cargos com plataformas anti-Vale do Silício da mesma forma que já atacaram Wall Street.

O “big tech” está vivendo o auge de uma crise de imagem?

O espírito dessa época é outro. A histeria em torno das redes sociais já se esgotou. Elas se tornam cada vez mais arcaicas e fora de moda.

Há dez anos eu era o único a dizer que elas enfraquecem a credibilidade e a verdade, enquanto hoje todos concordam com isso.

Elas prometiam transparência, mas nosso mundo só se tornou mais opaco e ninguém sabe o que essas empresas fazem com todos os nossos dados.

Os consumidores vão começar a peitar essas firmas. E o Google e o Facebook vão precisar aprender algumas lições com outras indústrias, como a dos automóveis, que se repensou para sobreviver.

A tecnologia é tão perigosa quanto o nosso amor por ela.


Nasceu em Londres, em 1960, e hoje vive em Berkeley, nos Estados Unidos

Estudou história e ciências políticas na Universidade de Londres e na Universidade da Califórnia, em Berkeley

Em 1995, ele fundou a, que fechou cinco anos depois. Trabalhou em empresas de tecnologia como Pulse 3D, SLO Media e Santa. Ele hoje faz palestras sobre a revolução digital e é autor de quatro livros, entre eles “O Culto do Amador” e “How to Fix the Future”

AUTOR Andrew Keen
EDITORA Atlantic Monthly Press
QUANTO US$ 16,30 (R$ 52,98), 288 págs.

Fonte: Silas Martí, Folha de S.Paulo, NOVA YORK, 5.mar.2018 às 2h00 

Inteligência Competitiva Tecnológica: “Inovação é o motor que mantém as políticas sociais em funcionamento”

Avaliação foi feita por Elisabeth Reynolds, que coordenou no MIT um conjunto de estudos sobre inovação no Brasil (foto: MIT)

O Brasil enfrenta, neste momento, grandes limitações orçamentárias. De modo a apoiar a agenda de política social, o país necessita investir em aumento de produtividade e crescimento por meio da inovação.

A avaliação foi feita por Elisabeth Reynolds, diretora executiva do Industrial Performance Center (IPC) – um instituto de pesquisa vinculado ao Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos –, durante um workshop realizado no fim de janeiro, na FAPESP.

Intitulado “Innovating in Brazil” (Inovando no Brasil), o evento reuniu pesquisadores norte-americanos e brasileiros, além de representantes do governo e da indústria, com o objetivo de debater qual deve ser a agenda de inovação para o Brasil avançar.

A discussão teve como base 14 artigos elaborados por cientistas do MIT e por seus alunos de pós-graduação – muitos deles brasileiros –, além de colaboradores de instituições como Banco Mundial, Universidade de São Paulo (USP), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Inter.B Consultoria Internacional de Negócios e Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI).

Os trabalhos – ainda não publicados – traçam um panorama das instituições, políticas e programas que dão forma ao sistema de inovação do Brasil. Discutem o que falta às universidades brasileiras para que possam atuar efetivamente como motores da inovação no país. Destacam a necessidade de abrir a economia brasileira, altamente protegida, para o mercado globalizado.

Os trabalhos tratam também dos chamados “intermediários da inovação” – como os centros de engenharia da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e da FAPESP, além dos Institutos Senai de Inovação (ISI) – que, segundo os autores, “se esforçam para preencher lacunas importantes no ecossistema de inovação”. Como formas organizacionais mais simples e menos burocráticas, avaliam os pesquisadores, esses intermediários encorajam grandes projetos aplicados de pesquisa e desenvolvimento em empresas, além de colaborações mais produtivas com as universidades.

Segundo Reynolds, o objetivo do workshop foi debater os temas tratados nos artigos com membros da academia, do governo e da indústria antes de tornar os trabalhos acessíveis ao grande público. A expectativa é que a versão final seja divulgada ainda em 2018 – a tempo de influenciar o debate sobre inovação durante as eleições presidenciais.

Em entrevista concedida à Agência FAPESP, a diretora executiva do IPC destacou a necessidade de um planejamento de longo prazo na área de ciência, tecnologia e inovação, descolado das urgências políticas do dia a dia. Leia, a seguir, os principais trechos da conversa.

Agência FAPESP – Poderia explicar o escopo do IPC e por que o centro tem interesse no tema da inovação no Brasil?
Elisabeth Reynolds – O instituto foi fundado no início da década de 1990. Na época, o Japão dominava o mercado automotivo e havia uma grande preocupação em relação à produtividade e à competitividade da indústria norte-americana. O MIT conduziu então um grande estudo sobre o tema nomeado “Made in America“, que se tornou bastante popular. O trabalho deixou claro que precisávamos de um centro de investigação que não fosse focado em apenas um tipo de indústria, ou em uma questão específica como produtividade, mas olhasse para todas as empresas e a indústria no contexto da economia globalizada. Esse tem sido o trabalho do IPC nos últimos 25 anos: entender como nossas empresas e a indústria podem se desenvolver, inovar e aumentar sua competitividade no contexto da economia globalizada. Nossa pesquisa pode estar focada em uma indústria ou em um país específico. Já desenvolvemos trabalhos na Europa, na Ásia e no México. O Brasil é uma economia emergente e é muito interessante para nós entender qual deve ser a agenda de inovação e o que precisa ser feito para que o país realmente avance.

Agência FAPESP – Quando começaram as pesquisas no Brasil e quantos cientistas estão envolvidos?
Reynolds – Temos trabalhado no Brasil há muitos anos, em parceria com pesquisadores de campo interessados em construir capacidade de inovação no país. Nosso time no IPC é formado por cinco ou seis pesquisadores sêniores e, além disso, contamos com cerca de oito estudantes – a maioria é brasileira. Temos nos beneficiado dessa proximidade com os estudantes, pois eles moram nos Estados Unidos, mas conhecem o contexto brasileiro muito bem. Fomos trazidos ao Brasil pela primeira vez em um projeto patrocinado pelo Senai [Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial], que tinha o objetivo de introduzir mais inovação em sua agenda. Nossa missão era estudar não apenas os 25 institutos de inovação mantidos pelo Senai em diversos estados, como também avaliar o contexto mais amplo para a inovação no país. Após anos de investigação, decidimos reunir os pesquisadores do IPC e nossos parceiros brasileiros, além de outros acadêmicos e líderes de empresas, para iniciar uma conversa sobre qual seria a agenda de inovação necessária para o Brasil. O resultado foi debatido no workshop realizado na FAPESP.

Agência FAPESP – Qual era a proposta do workshop?
Reynolds – Discutimos o conteúdo de 14 artigos ainda não publicados – metade escrita por pesquisadores do MIT e metade por nossos colegas brasileiros. Convidamos também cerca de 10 debatedores envolvidos com a indústria, com o governo ou com a academia. Os artigos cobrem temas-chave, que consideramos importantes para a agenda de inovação brasileira. Entre eles está o contexto político-econômico da inovação, o papel das universidades e das instituições. Nós observamos muita inovação institucional no Brasil – novas instituições sendo formadas, que são organizações voltadas a promover pesquisa translacional com potencial impacto em empresas e na economia. Também buscamos entender a competitividade das empresas e da indústria brasileira. Trata-se de uma economia altamente fechada e protegida. Uma das discussões relevantes foi sobre como criar políticas públicas que ajudem a abrir a sociedade para a economia global.

Agência FAPESP – Há previsão de quando e onde esses artigos serão publicados?
Reynolds – Esperamos que seja ainda este ano, antes das eleições. Nossa expectativa é que o resultado das pesquisas auxilie o debate sobre o tema durante as eleições. Não estamos interessados em publicar artigos em jornais acadêmicos altamente especializados e sofisticados, pois poucos têm acesso a esses meios. Gostaríamos de ver este trabalho publicado em jornais e também reunir os artigos em um livro acessível ao público geral. Também esperamos comunicar os resultados em diversos locais, para pessoas interessadas em fazer com que essa agenda avance, sejam elas ligadas ao governo ou a organizações relacionadas à indústria.

Agência FAPESP – Com base nos artigos em discussão, quais seriam os principais pontos da agenda de inovação brasileira?
Reynolds – Podemos destacar três fatores. O primeiro é a necessidade de abrir a economia brasileira para a economia global – algo importante para aumentar a competitividade e a inovação. Isso trará verdadeiros benefícios para o país, não apenas para as empresas como também para trabalhadores de baixa renda. Em segundo lugar eu destacaria a necessidade de reformas institucionais. Uma das principais discussões do workshop foi o que precisa acontecer para o governo se tornar um parceiro completo do setor privado. E como obter uma melhor coordenação no sistema fragmentado de inovação do Brasil. O terceiro ponto é a criação de uma mentalidade [mindset] no país que permita ver a agenda de inovação e a agenda da ciência e da tecnologia como algo fundamental para sustentar as políticas sociais e a rede de segurança social do Brasil. O país enfrenta grandes limitações orçamentárias atualmente. De modo a apoiar a agenda de política social, o país deve investir em aumento da produtividade e no crescimento por meio da inovação. Sacrificar a agenda de inovação em nome de uma agenda social seria destruir o motor que mantém as políticas sociais do país em funcionamento. Temos que encontrar uma maneira de construir um consenso, criar uma abordagem sistêmica para apoiar a agenda de inovação, de modo que seja vista como parte importante do avanço da economia brasileira. O Brasil começou a ver algum crescimento econômico e esse mindset tem de ser encorajado neste momento. Caso contrário, há um grande risco de o motor ser destruído, comprometendo o avanço das políticas sociais no país.

Agência FAPESP – Um obstáculo ao avanço da inovação apontado por vários dos participantes do workshop é a falta de governança e de planejamento de longo prazo no país. Como superar esse problema em um cenário político tão instável como o atual?
Reynolds – É um fato da democracia as políticas públicas estarem sujeitas a experiências políticas. Temos esse problema nos Estados Unidos também. Políticos querem ser reeleitos e isso significa apoiar políticas que, no curto prazo, agradem seus eleitores. O que temos visto em outros países é a construção de instituições capazes de ficar a um passo de distância do processo político. Um serviço público bem estruturado, por exemplo, que não se mova com a mudança do vento a cada governo político. Instituições que se sobressaem a qualquer indivíduo, um ministério que trabalha com planejamento de longo prazo, investimentos direcionados para um determinado projeto de longo prazo. Nos Estados Unidos vemos isso com frequência no Departamento de Defesa, onde há um plano de longo prazo independente do que acontece na política. No passado, o Brasil já fez isso. Foi o caso da Embraer no setor aeroespacial. Também há exemplos no setor agrícola e de biocombustíveis – este último infelizmente não é mais assim. É um grande desafio para o Brasil. O primeiro passo é criar um contexto institucional que permita e incentive um planejamento de longo prazo separado das urgências políticas do dia a dia. Penso que esse é o tipo de reforma institucional que o país deveria estar buscando – pelo menos no que se refere à agenda de inovação.

Fonte: Karina Toledo  |  Agência FAPESP, 22 de fevereiro de 2018