De dezembro para janeiro, produção industrial avança 2,3%

Em janeiro de 2009, a produção industrial avançou 2,3% frente a dezembro de 2008, na série com ajuste sazonal, interrompendo uma sequência de três resultados negativos.

O aumento observado na produção industrial, entre dezembro e janeiro, foi sustentado pela expansão em 15 dos 27 ramos investigados e atingiu três das quatro categorias de uso.

O desempenho mais importante para o resultado global foi o de veículos automotores, cuja expansão de 40,8% refletiu o retorno parcial das férias coletivas concedidas pelo setor nos meses anteriores.

Também merecem destaque os resultados de material eletrônico e equipamentos de comunicação (28,4%), borracha e plástico (13,6%), têxtil ( 10,3%) e alimentos (1,6%). Todos esses cinco ramos registraram forte recuo em dezembro: -40,8%, -39,0%, -20,3%, -11,9% e -4,3%, respectivamente.

Entre as indústrias que reduziram a produção, na passagem de dezembro para janeiro, destacam-se: máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-9,5%), refino de petróleo e produção de álcool (-3,6%) e metalurgia básica (-4,7%).

Ainda na comparação com o mês anterior, no corte por categorias de uso, os índices foram positivos em bens de consumo duráveis (38,6%), bens de capital (8,4%) e em bens intermediários (0,8%), enquanto a produção de bens de consumo semi e não duráveis (-0,6%) registrou recuo pelo quarto mês consecutivo.

A expansão observada na fabricação de bens de consumo duráveis vem após queda acumulada de 49,2% entre setembro e dezembro. O mesmo foi verificado em bens de capital, que cresceu após acumular perda de 26,5% em três meses.

Em bens intermediários o avanço observado interrompeu seqüência de cinco resultados negativos, que significaram uma perda de 20,8% na comparação dezembro 08/julho 08.

Fonte: IBGE, leia mais ao clicar aqui.

Gestão da Saúde

Em 1970, o custo da assistência a saúde nos Estados Unidos respondia por aproximadamente 7% do produto interno bruto – PIB. Em 2007, equivalia a 16% da atividade econômica do país.

Quatro fatores preocupantes:

1. O crescimento dos gastos com a assistência médica nos Estados Unidos frequentemente supera o da economia como um todo. Nos últimos 35 anos, enquanto os gastos gerais da nação com bens e serviços cresceu a uma taxa média anual de 7,2%, o montante despendido com saúde atingiu o índice de 9,8%.

2. Se o gasto federal permanecer uma porcentagem relativamente constante do PIB, em 20 anos, o custo ascendente do Medicare como parte desse orçamento ultrapassará todos os gastos, exceto os militares.

3. O peso de cobrir despesas médicas com empregados, aposentados e suas famílias está levando algumas das empresas economicamente mais importantes dos Estados Unidos a perder competitividade nos mercados mundiais.

4. Se tivessem de relatar em suas demonstrações financeiras o passivo que enfrentam em razão de compromissos contratuais de assistência médica a servidores aposentados, praticamente todas as cidades e municípios do país iriam a falência.

Fonte: Inovação na gestão da saúde. Clayton M. Christensen. Jerome H. Grossman. Jason Hwang. Porto Alegre: Bookman, 2009.

Núcleo ESPM de Som e Imagem

Com o objetivo de capacitar estudantes e aprofundar conhecimentos de profissionais da área audiovisual, a ESPM lança, com exclusividade, o novo Núcleo ESPM de Som e Imagem.

O núcleo está dividido em três grandes áreas: áudio, imagem e composição de imagem e busca, de forma prática e dinâmica, levar o aluno a compreender os fundamentos de cada técnica, tendências do setor e a importância da atualização profissional diante de um cenário cada vez mais competitivo.

Com duração média, de 40 h/aula a 72h/aula os cursos serão ministrados por professores da ESPM e profissionais experientes do mercado de produção.

As opções contemplam desde a área de produção, design, jogos para web, composição de imagens, after effects, roteiros, documentários, fotografia digital, fotografia em vídeo, edição em AVID, trilha para filmes, protools.

O núcleo tem a supervisão do professor Ismael Rocha Jr., diretor de operações e extensão da graduação e a coordenação do professor Jailson de Almeida, mais conhecido como “Jajá”.

Informações – Núcleo ESPM de Som e Imagem

Campus Profº Francisco Gracioso

Rua Dr. Álvaro Alvim, 123, Vila Mariana(11) 5085-4600

Mais informações ao clicar aqui.

Inteligência Competitiva para Pequenas e Médias Empresas

Diante das incertezas da crise econômica, os conceitos, metodologias e ferramentas de Inteligência Competitiva ganham destaque nas empresas como fator chave de sucesso nos negócios.
A atividade de analisar tendências, monitorar concorrentes e conhecer as novas tecnologias não é tarefa hoje só das grandes empresas.
Cada vez mais as pequenas e médias empresas estão utilizando Inteligência para se tornar mais competitivas, através de informações dos clientes, consumidores, concorrentes e do mercado.
A implementação adequada de Inteligência Competitiva gera resultados em curto prazo.
Leia mais sobre Inteligência Competitiva, ao clicar aqui.

A indústria dos jogos casuais

Os games casuais, no celular ou em sites da internet, movimentam um setor que cresce 20% ao ano e que soma 50 bilhões de dólares.

O valor estimado do mercado de games casuais em 2008, é de 2,7 bilhões de dólares.

200 milhões de pessoas (por mês) acessam sites de jogos casuais pela internet.

88% das produtoras brasileiras de games, fazem jogos casuais.
Existem mais de (um) mil empresas, no mundo, especializadas em criar games, a maioria para a internet.

O modelo de negócio é inovador: o dinheiro não vem de vendas, mas sim da propaganda (98% da receita são anúncios).

Fonte: Exame, 25 de fevereiro de 2009.

Indústria de massas alimentícias cresce em 2008

O setor de massas alimentícias obteve um faturamento de R$ 5 bilhões em 2008 contra ganhos de R$ 4,51 bilhões no ano anterior. Apesar da crise, a produção se manteve estável e não houve queda significativa das vendas. “Por suas características, nosso mercado é um dos últimos a serem atingidos em caso de abalos na economia”, comenta Claudio Zanão, diretor-presidente da Abima – Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias.

Zanão explica que o resultado positivo se deveu também a uma estratégia comercial da indústria para privilegiar o consumidor. “Em 2008 experimentamos um aumento de 30% na farinha de trigo, mas, em geral, os derivados tiveram reajuste de apenas 10%”.

Alheio ao momento complicado da economia, o objetivo do setor é multiplicar esses resultados nos próximos anos. “Temos muito potencial para crescer, pois o brasileiro ainda consome pouca massa”, diz Zanão. O consumo per capita é de 6,4 kg por hab./por ano, a metade do da Venezuela e bem atrás da Itália, a primeira no ranking, com 28 kg por habitante.

“As massas têm todas as características para ser um alimento mais consumido. São baratas, nutritivas, saborosas, práticas, acessíveis em todas as regiões do país e, ao contrário de uma percepção equivocada, não engordam”, finaliza o diretor-presidente da Abima.

Fonte: Fundamento/Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias – Abima.

Turismo brasileiro cresceu 20%


De outubro de 2008 a janeiro de 2009, o setor de turismo cresceu 20% no Brasil.

No dia 4 de janeiro de 2009, a TAM registrou o recorde histórico de 112.568 passageiros transportados num único dia.

O recorde anterior foi em 24 de março de 2008: 100 mil passageiros.

Ainda, a agência CVC, que comercializa 70% dos pacotes turísticos domésticos, vendeu 17% a mais em dezembro e janeiro do que no mesmo período entre 2007 e 2008.

E por fim, o número de passageiros em navios de cruzeiro no litoral brasileiro pulou de 400 mil no verão passado, para 500 mil neste ano.

Fonte: Veja, 25 de fevereiro de 2009. Leia mais ao clicar aqui.