Campanha Espalhe Vida, do Grupo TV1, ativa redes sociais para ajudar o GRAACC

Cada “Curtir” no Facebook e cada mensagem no Twitter com a hashtag #EspalheVida vai reverter R$ 1 da agência para a expansão do hospital da entidade.
Em sua segunda edição, a campanha Espalhe Vida aposta nas redes sociais para ajudar o Grupo de Apoio ao Adolescente e Criança com Câncer (GRAACC), que busca recursos para a construção de seu novo hospital – o maior centro de tratamento infantojuvenil da América Latina.
A ação, criada pelo Grupo TV1, vai reverter R$ 1,00 para a instituição a cada “Curtir” no Facebook (www.facebook.com/espalhevida), na página e nos posts, e também a cada mensagem no Twitter com a hashtag #EspalheVida – até alcançar o valor de R$ 15 mil.
O movimento da doação com participação coletiva começou no dia 21 de dezembro de 2010 e vai até 31 de janeiro deste ano e pode ser acompanhado no Facebook e no perfil da agência, que é parceira da entidade, no Twitter: @GrupoTV1.
Expansão do hospital
A expansão do Instituto de Oncologia Pediátrica, administrado pelo GRAACC em parceria com a Unifesp, vai torná-lo o maior centro de tratamento do câncer infantojuvenil na América Latina.
O terreno de 4.191 m², na Vila Clementino, foi doado pela prefeitura de São Paulo em setembro de 2010 e a previsão de investimento no projeto é de R$ 100 milhões.
Este será um dos poucos centros médicos do país com centro de tratamento radioterápico infantil, utilizando aparelhos com intensidade modulada, e um centro cirúrgico especializado em tumores no cérebro.
O complexo hospitalar também contará com uma área de reabilitação e de pesquisa genética, biológica, cirúrgica, patológica e clínica, além de ampliar os centros cirúrgicos, Centro de Transplante de Medula Óssea e o número de leitos.
Sobre o Grupo TV1
O Grupo TV1 (www.grupotv1.com.br) reúne as principais disciplinas e ferramentas da comunicação e do marketing para apoiar os negócios das empresas e aproximar as marcas de seus públicos. São mais de 620 profissionais em seis agências especializadas e complementares, capacitadas para atuar em estratégias integradas.
Advertisements
Uma das estrelas do futebol mundial, o brasileiro Kaká, pede para os milhões de fãs do esporte que irão assistir a Copa do Mundo em junho na África do Sul levarem em conta um tipo diferente de caneca.
Kaká se refere à caneca vermelha de plástico, símbolo de uma campanha do Programa Mundial de Alimentos, PMA, lançada em 2008 com apoio do brasileiro.
Caneca
A mensagem do jogador está em vídeo lançado para alertar o mundo para o sofrimento dos famintos do planeta.
A iniciativa ‘Encha a Caneca’ foi criada para angariar fundos e aumentar a sensibilização sobre programas do PMA dedicados a alimentar crianças nas escolas em países em desenvolvimento.
Uma em cada seis pessoas no mundo sofre de fome crônica, a maioria crianças, como afirma Kaká, em inglês, no vídeo.
Campeões
“You can be champions too, make this cup a world cup”
O brasileiro interage com um grupo de jovens jogadores de futebol e, segurando uma caneca vermelha, diz que eles também podem ser campeões no combate à fome.
Kaká, que é atual jogador do Real Madri, foi nomeado Embaixador da Boa Vontade do PMA em 2007, quando tinha apenas 24 anos de idade.

Fonte: Daniela Traldi, da Rádio ONU em Nova York. Leia mais ao clicar aqui.

About health care reform

Alfredo —
For the first time in our nation’s history, Congress has passed comprehensive health care reform. America waited a hundred years and fought for decades to reach this moment. Tonight, thanks to you, we are finally here.

Consider the staggering scope of what you have just accomplished:
Because of you, every American will finally be guaranteed high quality, affordable health care coverage.

Every American will be covered under the toughest patient protections in history. Arbitrary premium hikes, insurance cancellations, and discrimination against pre-existing conditions will now be gone forever.

And we’ll finally start reducing the cost of care — creating millions of jobs, preventing families and businesses from plunging into bankruptcy, and removing over a trillion dollars of debt from the backs of our children.

But the victory that matters most tonight goes beyond the laws and far past the numbers.

It is the peace of mind enjoyed by every American, no longer one injury or illness away from catastrophe.

It is the workers and entrepreneurs who are now freed to pursue their slice of the American dream without fear of losing coverage or facing a crippling bill.

And it is the immeasurable joy of families in every part of this great nation, living happier, healthier lives together because they can finally receive the vital care they need.
This is what change looks like.

My gratitude tonight is profound. I am thankful for those in past generations whose heroic efforts brought this great goal within reach for our times. I am thankful for the members of Congress whose months of effort and brave votes made it possible to take this final step. But most of all, I am thankful for you.

This day is not the end of this journey. Much hard work remains, and we have a solemn responsibility to do it right. But we can face that work together with the confidence of those who have moved mountains.

Our journey began three years ago, driven by a shared belief that fundamental change is indeed still possible. We have worked hard together every day since to deliver on that belief.

We have shared moments of tremendous hope, and we’ve faced setbacks and doubt. We have all been forced to ask if our politics had simply become too polarized and too short-sighted to meet the pressing challenges of our time.  This struggle became a test of whether the American people could still rally together when the cause was right — and actually create the change we believe in.
Tonight, thanks to your mighty efforts, the answer is indisputable: Yes we can.

Thank you,

President Barack Obama

Donate




Paid for by Organizing for America, a project of the Democratic National Committee — 430 South Capitol Street SE, Washington, D.C. 20003. This communication is not authorized by any candidate or candidate’s committee.

Abbott doará US$ 1 milhão em fundos e produtos para ajudar atender as necessidades de saúde no Haiti

A partir de parcerias filantrópicas já existentes no Haiti, as divisões de produtos farmacêuticos e nutricionais da Abbott já estão contribuindo com os esforços humanitários no país.

A Abbott e sua fundação para filantropia, Fundação Abbott, se comprometeram em enviar US$ 1 milhão, como uma ajuda humanitária inicial às vítimas do terremoto no Haiti. 

Este apoio inclui doação em dinheiro e em produtos farmacêuticos e nutricionais de primeira necessidade para aumentar a capacidade de socorro das organizações humanitárias em atendimento às necessidades imediatas do Haiti. Esta doação inclui uma quantidade inicial de produtos farmacêuticos e nutricionais, que já estão sendo usados num hospital no Haiti.

Estes esforços serão direcionados a parcerias filantrópicas já existentes da Abbott no país para ampliar o acesso à saúde pública no país. 

Desde 2007, a Abbott e a Fundação Abbott têm contribuído com mais de US$ 34 milhões, entre doações em dinheiro e produtos, para ampliar o acesso da população do Haiti em saúde materno-infantil, em tratamento de diabetes, HIV/AIDS e desnutrição.

“O recente terremoto tem um impacto devastador no limitado sistema de saúde pública do Haiti, que já enfrenta desafios bastante significativos”, afirmou Catherine V. Babington, presidente da Fundação Abbott. “A partir de nossas parcerias já existentes com organizações humanitárias no Haiti, nós estamos contribuindo com dinheiro e produtos para ajudar a atender as enormes necessidades imediatas de saúde do país.”

A ajuda inicial da Fundação Abbott para os esforços humanitários no Haiti inclui US$100.000 em dinheiro para três das organizações parceiras da Abbott na região: Cruz Vermelha, Partners in Health e Missão Médica Católica. Todas estas organizações têm presença no Haiti e já estão mobilizadas nos esforços de ajuda à população do país.

A Abbott também está trabalhando de forma ativa com AmeriCares, Direct Relief International e outras organizações para identificar e distribuir produtos nutricionais e farmacêuticos de primeira necessidade, tais como antibióticos, fluídos para re-hidratação que irão atender as necessidades imediatas das pessoas atingidas pelo terremoto no Haiti. 

A Abbott irá continuar a trabalhar com parceiros e grupos solidários chaves, considerando as necessidades continuas de saúde e o estado da infra-estruturar de transporte, para dar continuidade aos seus esforços.

Além disso, voluntários da Abbott na região de Dallas, nos EUA, irão colaborar com os esforços da Cruz Vermelha Americana no desastre no Haiti. Pelo programa da Cruz Vermelha “Ready When the Time Comes (Prontos para Quando a Hora Chega),” 35 voluntários da Abbott foram treinados e já estão colaborando com arrecadação de fundos e outras medidas em apoio aos esforços da Cruz Vermelha no Haiti.

Sobre a Abbott e a Fundação Abbott

A Abbott é uma empresa global, diversificada na área da saúde e dedica-se à descoberta, desenvolvimento, produção e comercialização de produtos farmacêuticos e médicos, incluindo nutricionais, equipamentos e diagnósticos. A empresa mais de 72.000 pessoas e comercializa seus produtos em mais de 130 países. As noticias sobre a Abbott podem ser acessadas no web site da empresa, ao clicar aqui.

A Fundação Abbott é uma fundação filantrópica, fundada pela Abbott em 1951. A missão da Fundação Abbott é criar comunidades globais mais saudáveis pelo investimento em idéias criativas que promovam a ciência, ampliem o acesso para saude pública e fortaleçam as comunidades de todo o mundo. 

Para mais informações sobre a Fundação Abbott, acesse www.abbottfund.org.

Fonte: SPMJ Comunicação

Walmart destina US600 mil ao Haiti

<!–
/* Font Definitions */
@font-face
{font-family:”Cambria Math”;
panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4;
mso-font-charset:1;
mso-generic-font-family:roman;
mso-font-format:other;
mso-font-pitch:variable;
mso-font-signature:0 0 0 0 0 0;}
@font-face
{font-family:Calibri;
panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4;
mso-font-charset:0;
mso-generic-font-family:swiss;
mso-font-pitch:variable;
mso-font-signature:-1610611985 1073750139 0 0 159 0;}
/* Style Definitions */
p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal
{mso-style-unhide:no;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
margin-top:0cm;
margin-right:0cm;
margin-bottom:10.0pt;
margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:Calibri;
mso-fareast-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;
mso-fareast-language:EN-US;}
a:link, span.MsoHyperlink
{mso-style-priority:99;
color:blue;
mso-themecolor:hyperlink;
text-decoration:underline;
text-underline:single;}
a:visited, span.MsoHyperlinkFollowed
{mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
color:purple;
mso-themecolor:followedhyperlink;
text-decoration:underline;
text-underline:single;}
.MsoChpDefault
{mso-style-type:export-only;
mso-default-props:yes;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:Calibri;
mso-fareast-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;
mso-fareast-language:EN-US;}
.MsoPapDefault
{mso-style-type:export-only;
margin-bottom:10.0pt;
line-height:115%;}
@page Section1
{size:595.3pt 841.9pt;
margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm;
mso-header-margin:35.4pt;
mso-footer-margin:35.4pt;
mso-paper-source:0;}
div.Section1
{page:Section1;}
–>

Em resposta ao trágico terremoto ocorrido no Haiti, as operações do Walmart em todo o mundo e a Fundação Walmart anunciaram hoje uma doação no valor de US$500.000,00 para os trabalhos de emergência da Cruz Vermelha no Haiti. A empresa também está enviando kits de alimentos pré-embalados no valor de US$100.000,00 para o Haiti a pedido da Cruz Vermelha.
Um terremoto com magnitude de 7.0 atingiu o sudoeste de Porto Príncipe, a capital do Haiti, na tarde de terça feira, devastando a cidade e deixando milhares de mortos.
“No Walmart, ajudar as comunidades é o que fazemos todos os dias em todo o mundo, especialmente em momentos de necessidade,” disse Doug McMillon, presidente e CEO do Walmart International. “Muitos dos mercados nos quais operamos na região das Américas estão lançando campanhas de apoio e continuaremos a buscar oportunidades para oferecer a ajuda tão necessária.”
A Fundação Walmart também lançou a página na web, http://www.walmartstores.com/Haiti através da qual seus clientes e associados podem fazer doações para entidades sem fins lucrativos que estão apoiando os trabalhos de ajuda no Haiti.
“Nossos pensamentos estão com todos que foram afetados pela devastação no Haiti, incluindo as centenas de milhares de haitianos que são nossos clientes e associados nos EUA e em todo o mundo,” disse Margaret McKenna, presidente da Fundação Walmart. “Continuaremos a monitorar a situação e a buscar outras formas através das quais podemos prestar assistência aos trabalhos de ajuda.”
“A Cruz Vermelha Americana está prontamente enviando suprimentos e pessoas preparadas para lidar com desastres para o Haiti devido às conseqüências desse terremoto e ficamos gratos pelas generosas contribuições do Walmart, seus associados e seus clientes,” disse Gail McGovern, presidente e CEO da Cruz Vermelha Americana. “O Walmart tem estado presente para ajudar as pessoas em seus momentos de necessidade nos Estados Unidos e ao redor do mundo, fornecendo suporte ao trabalho da Cruz Vermelha Americana para levar ajuda e esperança em situações de emergências.”
Em setembro de 2008, o Walmart doou mais de $100.000 para apoiar os trabalhos de ajuda a desastres para a população do Haiti que sofreu com os impactos dos Furacões Gustav e Ike, que mataram centenas de pessoas e danificaram e destruíram milhares de lares.
Sobre a Filantropia no Walmart
O Walmart e a Fundação Walmart ficam satisfeitos por oferecer suporte às causas beneficentes importantes para os consumidores e associados em sua região. Através de seus programas filantrópicos e parcerias, a Fundação Walmart oferece recursos para as iniciativas preocupadas em criar oportunidades nas áreas da educação, desenvolvimento de mão-de-obra, oportunidade econômica, sustentabilidade ambiental e saúde e bem-estar. De 1º de fevereiro de 2008 a 31 de janeiro de 2009, o Walmart – e suas fundações internas e internacionais – doaram mais de US$423 milhões em dinheiro e em materiais e serviços em todo o mundo. Para saber mais, visite o site www.walmartfoundation.org.
Fonte: Walmart

Rótulos mostram aos suecos quanto carbono é liberado na produção dos alimentos

Ao procurar aveia na prateleira do mercado, Helena Bergstrom, 37, admite ter ficado confusa com o rótulo em uma caixa azul do produto que dizia, “Impacto climático declarado: 0,87 kg CO2 por kg do produto”.

“Mesmo agora, não sei o que aquilo significa”, confessa Bergstrom, funcionária de uma companhia farmacêutica.

Mas se uma nova experiência feita aqui tiver sucesso, ela e milhões de outros suecos logo descobrirão o significado daquela informação.

Novos rótulos indicando o nível de emissão de dióxido de carbono associado à produção de alimentos, das massas feitas com trigo integral aos sanduíches das lanchonetes do tipo fast food, estão surgindo nas embalagens de alguns produtos de supermercados e menus de restaurantes e lanchonetes em todo o país.

“Somos os primeiros a tomar esta iniciativa, e para nós isto consiste em uma nova forma de pensar”, explica Ulf Bohman, diretor do Departamento de Nutrição da Administração Nacional de Alimentos sueca, que no ano passado foi incumbida de criar novas diretrizes alimentares, conferindo peso igual ao clima e à saúde. “Estamos acostumados a pensar na segurança e na nutrição como sendo algo desvinculado do meio ambiente”…

Fonte: Elisabeth Rosenthal, Estocolmo (Suécia), The New York Times/Tradução UOL.

Apple se esforça para ficar mais ‘verde’

Nos últimos anos, a Apple vem sendo criticada por vários grupos de proteção ambiental.

Em 2007, o Greenpeace a acusou de usar produtos tóxicos e a companhia vem se saindo mal nos rankings das “corporações mais verdes”.

As críticas são chocantes para uma empresa que tem uma imagem “cool” e progressista, além de contar com o “Senhor Verdade Incoveniente” Al Gore em seu conselho de administração.

Mas, agora, a Apple vai lançar o esforço mais agressivo de sua história para conter os críticos ambientais.

Em 24 de setembro, ela divulgou detalhes que eram alvo de cobrança dos grupos ambientais.

A empresa revelou pela primeira vez, por exemplo, suas emissões anuais de carbono.

A falta de transparência nesse número tem afetado a companhia em vários rankings, especialmente porque concorrentes como a Hewlett-Packard (HP) e a Dell o estão anunciando.

O verdadeiro objetivo da Apple é mudar os termos da discussão.

Executivos da companhia afirmam que a maioria dos rankings verdes existentes são falhos em vários aspectos.

Eles computam as promessas que as companhias fazem em relação aos planos para o ambiente, em vez das conquistas de fato. E a maioria se concentra no impacto ambiental das operações de uma empresa, mas exclui isso de seus produtos.

A Apple afirma que números mais abrangentes deveriam ser usados para as emissões de carbono – para tudo que vai dos materiais extraídos via mineração que são usados em seus produtos à eletricidade utilizada para fazê-los funcionar – e está oferecendo seus próprios dados para defender essa ideia.

Executivos afirmam que o uso dos produtos da Apple pelos consumidores responde por 53% dos 10,2 milhões de toneladas de dióxido de carbono que a companhia emite todos os anos.

Isso é mais que os 38% representados pela fabricação dos produtos na Ásia ou os 3% originados pelas próprias operações da Apple.

“Muitas companhias alardeiam o quanto suas instalações são ecologicamente corretas, mas isso não importa se você está vendendo milhões de produtos devoradores de energia com produtos tóxicos dentro deles”, disse o executivo-chefe da Apple, Steve Jobs. “É como perguntar a uma fabricante de cigarros o quanto suas instalações são ecologicamente corretas.”

Os assinantes do Valor podem ler mais ao clicar aqui.

Fonte: Peter Burrows, BusinessWeek, Vale do Silício (EUA), Valor, tradução de Mario Zamarian, 29/09/2009

Foto: Tony Avelar / Bloomberg News