Inteligência Competitiva Análise – 1 ano Governo Temer: Henrique Meirelles tem tido a habilidade de transformar derrotas em vitórias

ctv-k7d-meirelles motta

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles Foto: Fábio Motta/Estadão

BRASÍLIA – No jogo da linguagem do poder em Brasília, uma das máximas que vale para os ministros da Fazenda de todos os governos é a de que eles não podem mostrar, em hipótese nenhuma, que saíram derrotados em algum embate dentro e fora da Esplanada dos Ministérios.

Completando um ano no comando da economia, depois de assumir o ministério mais poderoso do governo em meio a mais longa recessão da história do País, Henrique Meirelles tem tido a habilidade de transformar derrotas ou meias derrotas em vitórias.

Escolhido pelo presidente Michel Temer para tirar as contas públicas do buraco e garantir a recuperação econômica, o ex-presidente do Banco Central do governo Lula conseguiu implementar uma política de ajuste fiscal gradual que vai manter por alguns anos ainda déficits robustos.

O déficit fiscal acumulado até o final do governo, em 2018, terá chegado a R$ 422 bilhões, na hipótese esperada de que as metas fiscais serão cumpridas à risca. Mas apesar do tamanho do rombo, que assusta e coloca a dívida pública em trajetória de alta pelo menos até 2020, Meirelles obteve a confiança necessária dos agentes econômicos e investidores para implementar o seu plano sem grandes sobressaltos e volatilidade dos mercados, estancando a sangria econômica do País que marcou 2015 e os primeiros meses do ano passado.

Se não fosse essa confiança, avaliam auxiliares do presidente, muito provavelmente Temer já teria sido obrigado a tomar medidas ainda mais duras para mostrar compromisso firme com o fim do desequilíbrio fiscal, apontado por boa parte dos economistas como a principal razão para a recessão.

Não é à toa que Meirelles não pensou duas vezes ao responder pergunta do Estado, em entrevista no seu gabinete em Brasília, sobre qual seria a sua principal conquista até agora na Fazenda: “Eu diria que a primeira vitória foi a reversão das expectativas”. A lista é seguida pela queda da inflação, apontada por ele como resultado não só da política monetária do BC, mas também fruto do ajuste fiscal em curso. Em terceiro lugar, Meirelles cita a retomada do crescimento. “Já está acontecendo. Estamos com resultado positivo no primeiro trimestre”, diz ele.

O ministro não se cansa de repetir que o ambiente econômico é de inflexão e que o crescimento de 0,8% esperado para os primeiros três meses do ano é muito bom. “Excelente”, diz. “Bem maior do que a expectativa dos analistas. O crescimento de 0,8% no trimestre é muito forte, dá uma alta anualizada, isto é um ritmo da economia, acima de 3%”, completa.

Se o crescimento não veio em 2016 como era esperado, o governo completa agora um ano com a atividade econômica em trajetória de recuperação, as metas fiscais sendo alcançadas, inflação e juros em queda e o teto do gasto aprovado pelo Congresso – o mecanismo de controle do crescimento das despesas é a medida fiscal mais importante lançada desde a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Apesar das incertezas que ainda rondam a votação, a reforma da Previdência avança no Congresso. Há quase noves meses, quando o presidente tomou posse depois do impeachment, muitos ainda tinham dúvidas se a proposta seria enviada. Cinco meses depois, a proposta foi aprovada pela comissão especial da Câmara nesta semana e caminha para a principal batalha: a votação em primeiro turno no plenário, prevista para o final deste mês.

O governo já teve que abrir mão até agora de parte da economia calculada com a sua aprovação, mas a avaliação dos principais especialistas é a de que ela é crucial. A oposição rebate. E escolheu o ministro como alvo principal dos ataques nos debates no Congresso. Para as lideranças oposicionistas, a política de Meirelles aprofundou a recessão e o desemprego.

“O que é isso ministro?”. Mas é gradualismo fiscal que tem sustentado até agora a decisão do presidente de não aumentar tributos. Em doze meses de governo, não houve aumento de novos impostos, mas sim a retirada das desonerações tributárias setoriais concedidas durante o governo do PT e que contribuíram para o tombo da arrecadação e o aumento dos déficits. Se até agora a carga tributária não foi elevada, a medida, porém, não está totalmente afastada.

Foi o debate público em torno da possibilidade de aumento de impostos para fechar as contas este ano, durante a definição do corte do Orçamento, que provocou um dos momentos mais tensos para Meirelles. Em reação à possibilidade, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) publicou, em maio, anúncio com um ataque direto a ele: “O que é isso, ministro?”, a Fiesp afirma que “causa total indignação a fala do ministro da Fazenda, que preanuncia aumento de impostos”

Meirelles não comprou a briga pública. Telefonou para o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, e o convidou para uma conversa no seu gabinete. No encontro, apresentou números e Skaf diminuiu os ataques. Quando o corte foi anunciado junto com a oneração da folha de pagamento, as críticas dos empresários estavam amansadas. “Ele antecipa e observa tendencia e corrige no dia seguinte uma notícia negativa”, diz um interlocutor.

Como ocorreu com a Fiesp, o ministro também preferiu agir nos bastidores e não respondeu à provocação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que afirmara que “não precisava dizer amém para Meirelles” durante a votação de projeto de ajuda aos Estados. As negociações com os Estados representaram até agora as maiores perdas para Meirelles, de acordo com técnicos da própria  área econômica. E a solução da crise financeira dos Estados ainda não está totalmente encaminhada.

Tucanos. Quando começou a ser atacado, no final do ano, por lideranças da base aliada, sobretudo do PSDB, o ministro seguiu o mesmo roteiro. Os tucanos capitanearam a irritação dos políticos com o crescimento que não veio e a queda lenta dos juros. Isso depois de a equipe econômica ter dito que, com a aprovação do teto do gasto, a economia iria melhor. Mas ao contrário, as projeções de PIB caíram.

“Foi um momento delicado para o ministro e todo governo. Os políticos estavam perdendo narrativa para justificar o que o governo estava fazendo depois da aprovação do teto e aí teve esse embate”, resumiu um auxiliar do presidente.

Meirelles conversou com os insatisfeitos e logo depois estava anunciando ao lado do ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, um pacote de medidas de estímulo ao crescimento. As criticas diminuíram. O BC, que estava sendo acusado de atrasar a retomada, começou a acelerar a queda dos juros.  O alívio tomou conta do governo. Além das reformas, agora, novas batalhas estão sendo travadas e renovadas. A principal delas: a retomada do emprego esperada para o ultimo trimestre do ano.

Fonte: Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo, 12 Maio 2017 | 05h00

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s