Inteligência Competitiva Tecnológica: Prospecção Tecnológica de Fontes para Inovação

Prospecção Tecnológica de Fontes para Inovação

prospecção

Fonte: Rodrigues, L. C. (2012)

A prospecção, segundo Rodrigues (2012), refere-se a achar no planeta todos os bolsões de conhecimento que possam sustentar a inovação.

Prospecção de conhecimento especializado ou técnico é o fundamento da Inteligência Competitiva Tecnológica.

Muitas vezes o conhecimento especializado está trincado e disperso por vários bolsões que precisam ser prospectados e juntados para compor-se um conjunto único.

Por exemplo, ao desejar desenvolver um modelo de negócio em pagamento/cobrança móvel, um dos primeiros lugares a serem prospectados talvez fosse o Brasil (sistema bancário).

Em serviços bancários, talvez a melhor praça seja o Brasil, mas em pagamento móvel, estamos ainda incipientes. Os melhores bolsões nesta área são o Japão e Coréia. Mas seria necessário juntar-se aos serviços bancários (Brasil) e eventualmente aos proprietários de bandeiras (EUA), que apesar de estarem atrasados em pagamentos móveis, estão avançados em gestão de cartões de crédito.

Fonte: Alfredo Passos. SISTEMA DE PROSPECÇÃO DA INOVAÇÃO EM AMBIENTE MULTIFACETADO: O CASO DO PARQUE TECNOLÓGICO NONAGON. Tese apresentada ao Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Nove de Julho, como requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor em Administração. Orientador: Prof. Leonel Cezar Rodrigues

O Ciclo de Inteligência Competitiva Tecnológica proposto por RODRIGUES, L. C., 2012.

Mas diante das iniciativas de acadêmicos internacionais, entre os pesquisadores acadêmicos no Brasil, um pesquisador e acadêmico brasileiro, o Professor Doutor Leonel Cezar Rodrigues, desenvolveu seus estudos também neste campo e assim, também propôs seu modelo.

O Ciclo de Inteligência Competitiva Tecnológica

leonel

Fonte: RODRIGUES, L. C., 2012.

Em sua proposta de ciclo para Inteligência Competitiva Tecnológica, Rodrigues (2012), propõe seis fases:

(i) necessidades identificadas;

(ii) planejamento e direção de sic;

(iii)prospecção;

(iv) análise e seleção das informações;

(v) produção;

(vi) disseminação

Fonte: Alfredo Passos. SISTEMA DE PROSPECÇÃO DA INOVAÇÃO EM AMBIENTE MULTIFACETADO: O CASO DO PARQUE TECNOLÓGICO NONAGON. Tese apresentada ao Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Nove de Julho, como requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor em Administração. Orientador: Prof. Leonel Cezar Rodrigues

Inteligência Competitiva Tecnológica – ICT: uma consciência sobre ameaças e oportunidades tecnológicas

Inteligência Competitiva Tecnológica – ICT proporciona a uma organização a capacidade de capturar e entregar informação para desenvolver uma consciência sobre ameaças e oportunidades tecnológicas, afirmam Mortara et al. (2009).

Enquanto historicamente alguns pesquisadores acadêmicos haviam focado seus estudos empíricos como Utterback e Brown (1972) outros na geração dos processos de tecnologia da informação, como Aston, Kinzey e Gunn, (1991); Aston e Stacey (1995), mais recentemente o interesse acadêmico voltou-se para a indústria (empresas) e um maior entendimento dos processos de tecnologia da informação, Lichtenthaler et al. (2004) concentrou nos processos de tecnologia da informação e na coordenação das atividades de TI das organizações multinacionais, Savioz, Heer e Tschirky (2001); Savioz e Blum (2002) exploraram como a atividade de tecnologia da informação pode ser implementada em pequenas e médias empresas. Outros pesquisadores se interessaram pela interação entre a alta direção e a atividade de TI.

Hamel e Skarzynsky (2001) pesquisaram o papel da TI na evolução das tecnologias disruptivas em empresas, através de estudos de caso. Shehabuddeen e Probert (2004) fizeram uma revisão das ferramentas e os processos de gestão que podem apoiar a tecnologia da informação.

Fonte: Alfredo Passos. SISTEMA DE PROSPECÇÃO DA INOVAÇÃO EM AMBIENTE MULTIFACETADO: O CASO DO PARQUE TECNOLÓGICO NONAGON. Tese apresentada ao Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Nove de Julho, como requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor em Administração. Orientador: Prof. Leonel Cezar Rodrigues

O que profissionais de Inteligência Competitiva Tecnológica – ICT devem considerar?

E como a observação de processos tecnológicos ocorre fora da empresa, Ransley (2002), assinala o que deve ser considerado:

  • Poucas empresas podem depender de Pesquisa & Desenvolvimento interna para atender às suas necessidades tecnológicas, devido a restrições de custo e de tempo;
  • A dependência de Pesquisa & Desenvolvimento desenvolvida internamente deixa a empresa em posição de ser surpreendida por avanços que se dão fora dela;
  • É boa prática alavancar cada dólar destinado a P & D lançando mão de progressos feitos por outros.

Fonte: Alfredo Passos. SISTEMA DE PROSPECÇÃO DA INOVAÇÃO EM AMBIENTE MULTIFACETADO: O CASO DO PARQUE TECNOLÓGICO NONAGON. Tese apresentada ao Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Nove de Julho, como requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor em Administração. Orientador: Prof. Leonel Cezar Rodrigues

A importância da Inteligência Competitiva Tecnológica – ICT

A Inteligência Competitiva Tecnológica – ICT pode ser entendida como um componente decisivo da Inteligência Competitiva. (PRESCOTT; MILLER, 2002). Os autores afirmam que enquanto os aspectos da Inteligência Competitiva comercial estão bem documentados, a Inteligência voltada para a tecnologia não recebeu a mesma atenção.

Com a economia em rápida evolução e competitiva, as empresas necessitam de informações precisas e atualizadas sobre o seu ambiente tecnológico, se pretendem gerir os seus recursos técnicos corretamente.

Ter a tecnologia certa no momento certo é critica para o sucesso de um negócio. A Inteligência Competitiva Tecnológica – ICT pode fornecer aos profissionais de marketing, técnicos (como os de pesquisa & desenvolvimento), equipes de desenvolvimento de negócios, uma abordagem e estrutura de forma eficaz e eficiente dos processos para coletar, avaliar e tomar as decisões de investimento de uma empresa.

Fonte: Alfredo Passos. SISTEMA DE PROSPECÇÃO DA INOVAÇÃO EM AMBIENTE MULTIFACETADO: O CASO DO PARQUE TECNOLÓGICO NONAGON. Tese apresentada ao Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Nove de Julho, como requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor em Administração. Orientador: Prof. Leonel Cezar Rodrigues

O que é Inteligência Competitiva Tecnológica – ICT?

Inteligência Competitiva Tecnológica – ICT

Quando a Inteligência Competitiva está focada no conhecimento do entorno estratégico do progresso em Ciência e Tecnologia (C&T), é denominada de Inteligência de C&T ou também de Inteligência Tecnológica – IT – Rodriguez e Escorsa, (1997); Aston e Stacey (1995) definem a IT como “um sistema para detectar, analisar e empregar informação sobre eventos técnicos, tendências e, em geral, atividades ou aspectos chave para a competitividade da empresa, com o propósito de obter uma melhor exploração da tecnologia”.

Fonte: Alfredo Passos. SISTEMA DE PROSPECÇÃO DA INOVAÇÃO EM AMBIENTE MULTIFACETADO: O CASO DO PARQUE TECNOLÓGICO NONAGON. Tese apresentada ao Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Nove de Julho, como requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor em Administração. Orientador: Prof. Leonel Cezar Rodrigues

A Comunicação, Disseminação da Inteligência Competitiva na Empresa

Disseminação

Respondendo às questões colocadas na primeira fase do ciclo, o analista deve divulgar seus pareceres estratégicos baseados nas informações coletadas e analisadas.

Os relatórios deverão ser apresentados nos formatos e linguagens adequados, ao nível e ao perfil do decisor.  Dou (1998) recomenda que os relatórios não devam ser distribuídos regularmente, mas sim quando houver tema relevante a relatar, como forma de incentivar a curiosidade. Para Dou, os relatórios devem ser formatados em três versões diferentes para uma mesma questão, sendo, cada uma delas orientada para um nível de decisor (DOU, 1998).

Por outro lado, alguns autores e profissionais de Inteligência Competitiva acreditam que a utilização, como produto final, de boletins mensais, em diversos níveis de aprofundamento, pode vir a ser a o ponto inicial da criação da base de conhecimento da empresa. Tyson (1990) recomenda a utilização de gráficos e charts como forma de melhor expressar concisão e facilitar a visualização pelos decisores.

Redes de Informação

As crescentes mudanças no ambiente globalizado, como um todo, e nas empresas em particular têm estimulado a procura de novos formatos organizacionais que propiciem mais flexibilidade e velocidade na absorção e disseminação do conhecimento. Dentre estes novos formatos destacam-se a constituição de redes, e dentre estas, as Redes de Informação e de Inteligência Competitiva.

Segundo Lastres:

“a constituição de redes de todo o tipo é considerada […] como a mais importante inovação organizacional associada à difusão do novo paradigma tecno-econômico das tecnologias da informação […] e a competitividade das organizações passa a estar relacionada à abrangência das redes que estão inseridas, assim como a intensidade do uso que fazem das mesmas”. (LASTRES, 1996).

As Redes de Inteligência Competitiva são multidisciplinares e não hierárquicas que congregam três categorias principais de atores:

  • Decisores — utilizam os insumos fornecidos pelos analistas para tomar decisões, ou seja, informação relevante, analisada e validada;
  • O Administrador do Sistema de IC — coordena e dá suporte a toda Rede, facilitando, agilizando a comunicação interdisciplinar e gerenciando a infraestrutura tecnológica;
  • A Rede Humana – composta por Redes de Observadores e Redes de Analistas:
  • Redes de Observadores — são participantes eventuais, dotados de curiosidade e capacidade de reconhecer mudanças nas variáveis ambientais e que possam alimentar a Rede com estas informações, rapidamente e de forma clara;
  • Redes de Analistas — também eventuais, são especialistas com reconhecida competência técnica associada aos fatores críticos de sucesso, com capacidade de avaliar os impactos das mudanças ou sinais de mudanças nas estratégias competitivas da organização.

Embora as facilidades fornecidas pelas tecnologias da informação — redes de computadores e transmissão digital de informações, por exemplo — permitam uma otimização no uso dos conceitos apresentados sobre Rede de Informações e de Inteligência, deve-se entender que não é necessária a existência e a utilização plena dessas tecnologias para que se apliquem tais conceitos nas organizações, dado que sua essência é humana e não tecnológica.

Fonte: Alfredo Passos. SISTEMA DE PROSPECÇÃO DA INOVAÇÃO EM AMBIENTE MULTIFACETADO: O CASO DO PARQUE TECNOLÓGICO NONAGON. Tese apresentada ao Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Nove de Julho, como requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor em Administração. Orientador: Prof. Leonel Cezar Rodrigues