Inteligência Competitiva: O que sai mais barato, carro próprio ou Uber?

http://www.valor.com.br/sites/default/files/imagecache/media_library_560/fotoweb/

Ter ou não ter carro ainda é a questão central para muita gente quando o assunto é transporte. Em um país de aficionados por carro, possuir um automóvel para chamar de seu ainda é o sonho de muitos. Embora fatores subjetivos, como o status, ainda tenham peso elevado nessa decisão, pressões ambientais – fruto de mudanças culturais em curso – e financeiras abrem espaço para que outras formas de mobilidade passem a ser consideradas como alternativa ao carro próprio. Mesmo para quem não está disposto a enfrentar o transporte público, dependendo de variáveis como distância percorrida, horário de uso e frequência, opções como o aplicativo de transporte Uber podem ser um bom negócio. É preciso colocar na ponta do lápis todos os custos envolvidos nas diferentes alternativas de transporte – principalmente os ligados ao uso do carro próprio e que são, via de regra, subavaliados pelos proprietários.

Cálculos feitos pelo professor Samy Dana, da Fundação Getúlio Vargas (FGV/SP), mostram que, dependendo da situação, deixar o carro na garagem pode ser economicamente interessante. O maior erro cometido pelas pessoas ao calcularem o custo de ter um carro próprio, afirma Dana, é não incluir itens como depreciação e impostos anuais na conta. “Na comparação correta, entra tudo, desde IPVA, combustível, até seguro e manutenção”, comenta o professor da FGV, lembrando que as pessoas precisam entender que carro não é investimento, o que exige a inclusão na conta de outros dois itens. “Tem de levar em conta a depreciação do veículo, em torno de 10% ao ano, e o custo de oportunidade, ou seja, o que você deixa de ganhar porque o dinheiro, imobilizado no carro, não está aplicado no mercado financeiro.”

Para efeito de comparação, foi feita uma simulação de custos de quatro alternativas de transporte – carro próprio, Uber (Black e X), táxi e Zazcar (um serviço de locação de veículos por hora ou por dia) – e para dois percursos diários, de 10 km e de 20 km, para um total de 40 viagens por mês. Para o carro próprio, o valor do veículo foi definido em R$ 35 mil, com seguro de R$ 1.750, IPVA de R$ 1.400, estacionamento mensal de R$ 350, mais R$ 100 de manutenção mensal, um licenciamento com seguro obrigatório de R$ 172 e ainda R$ 3.500 de depreciação anual (10%). Foi considerado também um consumo de 10 km por litro de gasolina, vendida a R$ 3,12 o litro. O último item que deve ser levado em conta, na avaliação de Dana, é o custo de oportunidade, ou seja, o que se perde ao não investir o valor do carro no mercado. Foi usada uma taxa de retorno mensal de 0,80%.

Para curtas distâncias, de 10 km entre o trabalho e a residência (20 km por dia), por exemplo, a utilização do carro próprio é a segunda melhor opção, consumindo no ano R$ 19.010. A mais vantajosa é o Uber X, categoria mais barata do serviço, que cobra um preço base de R$ 3, mais R$ 0,35 por minuto e R$ 1,43 por quilômetro rodado. Se a opção fosse por usar o Uber X para ir e voltar do trabalho, diariamente, o gasto no ano seria de aproximadamente R$ 16.656. Utilizar o táxi, nas mesmas condições e com bandeira 1 a R$ 2,75 o quilômetro rodado, mais os R$ 4,50 de partida, no ano sairia por R$ 22.952. No Uber Black, por sua vez, o valor anual subiria para R$ 25.737, para o preço base de R$ 5, mais R$ 0,40 por minuto e R$ 2,42 o km rodado. Em todos os casos, o tempo gasto estimado por percurso é de 25 minutos.

O custo final pode cair muito, caso o usuário mescle qualquer uma das alternativas acima – táxi ou Uber com o transporte público. Só para efeito de comparação, se no exemplo a pessoa optasse por intercalar táxi e ônibus, diariamente, o custo total cairia para R$ 12.388 no ano, resultado da soma de R$ 11.476 com táxi mais R$ 912 gastos com ônibus considerando a tarifa de R$ 3,80 na capital paulista.

No Zazcar, o valor anual chegaria a R$ 23.378. O que torna mais cara a utilização pelo Zazcar, no exemplo proposto, é o fato de o veículo ter de ser retirado e devolvido no mesmo local. Com isso, foi considerado um período de oito horas de permanência com o carro e uma mensalidade de R$ 49,90, que resulta em um valor menor por hora, de R$ 4 mais R$ 0,89 o quilômetro rodado. Se houvesse a possibilidade de usar o veículo alugado apenas para se locomover na ida e na volta – sem permanecer com o carro durante o dia – o custo anual cairia para aproximadamente R$ 11.337 (duas horas por dia, mantendo os demais critérios inalterados).

O CEO da Zazcar, Felipe Barroso, chama a atenção para o objetivo da empresa que não é competir com o Uber ou o táxi, mas diretamente com o carro próprio. Segundo ele, há várias alternativas de cobrança, incluindo o pagamento de uma diária, que facilita para quem vai ficar com o carro durante o período de trabalho, substituindo o carro particular. “Temos em mente que nosso objetivo é ser uma alternativa para o carro próprio nas mais diversas situações do dia a dia”, afirma. O perfil de pessoas que utilizam o Zazcar, segundo ele, é de solteiros ou recém-casados com idade entre 25 e 40 anos.

Na segunda simulação, com o trajeto maior, de 20 quilômetros entre a residência e o trabalho (40 km ida e volta), mantendo inalteradas as demais premissas, a situação se altera e o carro próprio acaba sendo mais vantajoso, com custo anual estimado em R$ 21.358, seguido pelo Uber X, com R$ 27.418 por ano. O uso do táxi sairia por R$ 43.647, o Zazcar por R$ 30.075 e o Uber Black exigiria o desembolso de R$ 43.948.

“Como ter um carro envolve um lado aspiracional importante do brasileiro, o item transporte no orçamento acaba sendo subdimensionado”, comenta Thiago Alvarez, CEO do GuiaBolso, aplicativo de gestão financeira. O executivo lembra, contudo, que a tendência é de o carro perder a relevância como sonho de consumo do brasileiro. Fatores pontuais como a crise econômica, que afeta a renda e leva o cidadão a rever o orçamento, e os preços em alta dos combustíveis ajudam neste processo. Do lado positivo, o fato de as grandes cidades estarem repensando e reorganizando os sistemas de transporte em favor de outros modais também colabora.

Dados coletados pelo GuiaBolso, com base em extratos bancários e cartões de crédito dos usuários do aplicativo, mostram que os brasileiros gastaram em dezembro do ano passado R$ 411,46 para abastecer seus carros, aumento de 22% em relação a março, mês de início da pesquisa. A classe C foi a que viu o maior aumento de despesas com combustíveis: 34%, em média, na mesma base de comparação. Contudo, em reais, é a classe A que mais deixa dinheiro nos postos de gasolina. “As pessoas estão sendo obrigadas a rever seus orçamentos, e o transporte cada vez mais é relevante na estrutura de custo. Na prática, dependendo de situações individuais, é possível aposentar o carro sem ter que aderir ao transporte público, e usar táxi, Uber ou mesmo carros compartilhados, gastando menos”, diz Alvarez.

O professor Samy Dana lembra que aspectos subjetivos como conforto e praticidade associados ao carro próprio devem ser levados em conta, mas o importante é “ter esta equação financeira bem resolvida para tomar a melhor decisão”. Ele destaca também que o fato de novas alternativas como Uber, carro compartilhado e ciclovias ganharem visibilidade estimula o cidadão a pensar melhor sobre como se locomover.

Foi o que aconteceu com a publicitária Jacqueline Sacon, que há três anos iniciou o processo de substituição do carro próprio por outras alternativas de mobilidade. “Quando mudei de endereço, refiz meu orçamento e percebi que estava muito caro usar diariamente meu carro. Acabei optando por deixá-lo durante a semana na garagem”, comenta a publicitária, lembrando que na época só com o consumo semanal de combustível gastava R$ 60, além dos R$ 180 de estacionamento no trabalho, mesmo com subsídio da empresa. “Meus gastos caíram pela metade, até o seguro do veículo ficou mais barato porque deixei de usá-lo a trabalho”, conta a publicitária.

Hoje, na rotina de transporte de Jacqueline estão incluídos ônibus, metrô e táxi – principalmente quando sai tarde da agência em que trabalha. “Como a distância entre a residência e o trabalho, do Jardim Paulistano ao Butantã, é pequena, mesmo o táxi que uso para voltar é barato, em torno de R$ 12.”

A publicitária conta que no começo via dificuldade em tudo, na chuva, no frio, no tempo de espera, mas percebeu que com o tempo as dificuldades eram apenas por falta de hábito. Hoje, durante a semana, mesmo as compras de mercado são feitas com táxi: “já vou em um mercado que tem um ponto bem na frente”. “A adaptação é palavra-chave, no começo tudo parece mais difícil do que é, há uma certa preguiça em iniciar o processo. O próximo passo é não ter carro”, conta.

Fonte: Jiane Carvalho | Valor, São Paulo, 22/2/2016

Advertisements

7 thoughts on “Inteligência Competitiva: O que sai mais barato, carro próprio ou Uber?”

  1. Diria que sai muito mais barato andar de Uber. Para o caso de Portugal, de realçar que o português médio trabalha metade do ano (370€ por mês, em 711€ que é o salário médio líquido) para pagar as despesas totais do seu carro. Elas são o seguro, o combustível, as revisões, reparações, possível crédito automóvel, desvalorização do veículo, lavagens, eventuais multas, IUC, portagens e parqueamento. Esse custo total ultrapassa muitas vezes os 500€ por mês, mas as pessoas não fazem essa contabilidade porque as contas que se pagam aparecem distribuídas pelo ano em diferentes parcelas. Faça você mesmo as suas contas em AUTOCUSTOS.COM e poderá ficar surpreso com o resultado final! Pense depois quanto ganha por mês e quantos meses tem de trabalhar para suster o seu carro! Essa calculadora está também muito boa para o Brasil.

    Like

  2. Eu pesquiso muito sobre isso. Trabalho com festas e somente no fim de semana geralmente dá entre 30-50km por dia. Não sei se é vantajoso o uber ou ter um carro.

    Like

  3. O problema é que vocês fazem esses cálculos só com carro caro de 30.000 ou mais.
    Fiz o cálculo aqui com meu Fiat Palio 1997 1.0.

    Percorro 20km por dia

    Carro 8.321,00
    Táxi 24.081,00
    UberX 16.932,00
    Uber Black 25.586,00
    Zaz car 42.530,00

    Valor do Automóvel: 7.000,00
    Seguro por ano (fiz só de terceiros): 670,00
    IPVA: 280,00
    Estacionamento ao mês: R$45,00 (paro mais na rua)
    Manutenção por mês: R$200,00
    Consumo por litro: 9km/l (cidade)
    Preço do litro: 3,50
    Depreciação opr ano: 5%
    Licenciamento: R$172,00

    Like

    1. Caro Matthaeus Os seus números não são credíveis. Faça os seus verdadeiros cálculos em autocustos.info e depois verá que vender carro e usar UBER compensa.

      On 26 Oct 2016 20:01, “Inteligência Competitiva por Alfredo Passos” wrote:

      > Matthaeus commented: “O problema é que vocês fazem esses cálculos só com > carro caro de 30.000 ou mais. Fiz o cálculo aqui com meu Fiat Palio 1997 > 1.0. Percorro 20km por dia Carro 8.321,00 Táxi 24.081,00 UberX 16.932,00 > Uber Black 25.586,00 Zaz car 42.530,00 ” >

      Like

  4. Olá, gostaria de saber se alguém conhece algum site aonde você pode colocar suas informações de modelo/ano do carro e quantos quilômetros em média anda por dia, para saber se vale a pena usar o Uber como meio de transporte fixo.
    Obrigado

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s