O software vai comer seu emprego

Entre as enormes transformações deste século tecnológico e globalizado, a do emprego talvez seja a mais abrangente.

Com a globalização e as novas tecnologias, o mundo está mudando muito mais rápido do que as leis e as estruturas do antigo regime.

Aqui no Brasil, temos uma legislação trabalhista ultrapassada e custosa, que o Congresso cego recusa-se a reformar, mas isso não impediu que parcela enorme da força de trabalho hoje atue à revelia das leis da Era Vargas e sob novos arranjos, mais ágeis e leves. E as mudanças mal começaram.

Em poucos anos, mais rápido do que esperamos, as relações trabalhistas estarão ainda mais diferentes. Se você estiver do lado certo da nova força de trabalho, um profissional inovador e original, com contribuição única, essas transformações serão muito boas para você.

A revista “Economist” fez um dossiê como sempre presunçoso sobre o futuro do emprego no mundo.

Segundo a revista, o planeta terá neste ano 3,1 bilhões de pessoas empregadas, o maior número da história. Mas o número de desempregados chega a 205 milhões, um número muito maior do que poucos anos atrás.

Uma das conclusões dos estudiosos é que a tecnologia começa a comer empregos de forma consistente, como, aliás, sempre aconteceu na história humana. Mas agora é mais agudo, abrangente e transformador. O emprego commodity, quando se faz aquilo que qualquer um pode fazer, poderá cada vez mais ser feito por máquinas e robôs.

Ou, como disse título de artigo recente no wsj.com de Mark Andressen, um dos maiores gurus e investidores do Vale do Silício, fundador do Netscape: “O software está comendo o mundo”.

“Seis anos depois da revolução do computador, quatro décadas depois da invenção do microprocessador e duas décadas depois do surgimento da internet moderna, toda a tecnologia necessária para transformar indústrias através de software finalmente funciona bem e pode ser distribuída em escala global”, escreveu Andressen.

Isso pode ser ótimo para a indústria de software, mas as transformações significam a substituição de empregos commodities por softwares e máquinas, como acontece já nos bancos e nas montadoras de veículos: ou seja, muita gente vai para a rua e os que ficam serão mais educados, especializados e remunerados.

Nos EUA, a grave crise econômica está sendo a justificativa para que empresas percam o temor social que tinham de trocar homens por máquinas (e softwares). Em outros setores, as novas tecnologias simplesmente aniquilaram antigos modelos de negócios.

Veja o que aconteceu com as lojas de disco e grandes livrarias americanas, que viveram seu apogeu até o varejo online matá-las de forma fulminante, levando junto milhares de empregos, embora hoje se consuma mais música e livros no país.

Sempre houve muita especulação filosófica e literária sobre como seria o momento (ao qual chegamos) em que máquinas (e softwares) conseguissem fazer o trabalho dos homens. O suíço Jean Piaget (1896-1980), por exemplo, previa uma “sociedade do ócio”, onde o homem teria muito tempo para lazer e iluminações e menos ou nenhum tempo dedicado ao trabalho.

Piaget pensou isso numa época em que utopias sobre a prevalência da solidariedade e da justiça social nas relações humanas ainda iludiam os pensadores. Para o bem e para o mal, a competição, não a harmonia, parece ser nosso estado natural.

A transformação do emprego é a transformação da atividade mais importante de nossas vidas, o que geralmente determina o que somos e o que temos.

Nos países do hemisfério Norte, em crise econômica e mais plugados às novas tecnologias, as transformações estão muito mais agudas.

No Brasil, essas transformações, como outras, estão sendo amortizadas pelo nosso ciclo virtuoso de crescimento, essa névoa da prosperidade que pode esconder perigos importantes.

A competição pelo emprego é cada vez mais global. E ganhará mais vagas quem tiver mais educação e mais flexibilidade no trabalho, o que não é o caso do trabalhador brasileiro.

No nível pessoal, não se iluda que dará para enrolar no trabalho das 9h às 18s de segunda a sexta fazendo coisas que qualquer um pode fazer. O software vai comer esse emprego.

O Google tomou uma decisão primeiro criticada de liberar 20% do tempo de trabalho de seus funcionários para eles se dedicarem a projetos pessoais e inovadores ligados à empresa, mas fora de sua rotina habitual. Deu certo e já está sendo adotada por outras empresas inovadoras.

Mais do que nunca, será preciso mostrar o que só você pode fazer, usar sua individualidade como seu maior atributo. Apesar dos riscos e das perdas inevitáveis, isso é uma coisa boa. Ser criativo e inventivo tornou-se obrigatório. Como dizia o visionário slogan da visionária Apple no final dos anos 1990: “Think different”.

Fonte/Autor: Sérgio Malbergier é jornalista. Foi editor dos cadernos Dinheiro (2004-2010) e Mundo (2000-2004), correspondente em Londres (1994) e enviado especial da Folha a países como Iraque, Israel e Venezuela, entre outros. Dirigiu dois curta-metragens, “A Árvore” (1986) e “Carô no Inferno” (1987). Escreve para a Folha.com às quintas.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s