Brasil tem mais de 175 milhões de acessos móveis

Com 1.639.892 de habilitações em janeiro (crescimento de 0,94% em relação a dezembro), o Brasil chega a 175.599.260 de acessos do Serviço Móvel Pessoal (SMP) e densidade de 91,33 acessos por 100 habitantes (crescimento de 0,86% sobre o mês anterior). O crescimento no primeiro mês do ano é o segundo na série histórica, ficando atrás de janeiro de 2008 (ver quadro). Do total de acessos, 145.083.416 (82,62 %) são pré-pagos, e 30.515.844 (17,38 %), pós-pagos.

Ano Em janeiro De janeiro a dezembro
2000 513.126 8.155.473
2001 478.506 5.557.598
2002 312.782 6.135.195
2003 356.802 11.492.302
2004 581.978 19.232.311
2005 996.352 20.604.759
2006 1.260.575 13.708.285
2007 798.520 21.061.482
2008 1.877.474 29.661.300
2009 1.307.674 23.317.965
2010 1.639.892

Teledensidade – Acompanhe nos quadros abaixo os estados com maior crescimento no indicador,

que é utilizado internacionalmente para demonstrar o número de acessos em serviço em cada grupo de 100 habitantes.

UF (Teledensidade) Crescimento em janeiro (%) UF (Teledensidade) Crescimento em

12 meses (%)

Amazonas (74,96) 2,42 Amazonas (74,96) 31,89
Maranhão (45,15) 1,90 Roraima (71,21) 30,36
Pará (65,54) 1,77 Maranhão (45,15) 27,08
Piauí (58,40) 1,76 Piauí (58,40) 25,41
Sergipe (87,57) 1,54 Paraíba (71,09) 21,53
Região Crescimento em janeiro (%) Crescimento nos

últimos 12 meses (%)

Norte (72,08) 1,55 21,85
Nordeste (71,85) 1,23 17,06
Sul (96,00) 0,84 13,13
Sudeste (103,29) 0,68 13,05
Centro-Oeste (109,95) 0,49 13,29

Mercado – Os quadros a seguir apresentam a situação de cada empresa e

tecnologia no mercado de SMP no Brasil

Participação das empresas
Holding Número de acessos Participação (%)
Vivo 52.455.471 29,87
Claro 44.806.542 25,52
Tim 41.500.158 23,63
Oi 36.186.024 20,61
CTBC 546.717 0,31
Sercomtel 83.996 0,05
Unicel 20.352 0,01
Participação por tecnologia
Tecnologia Total Participação (%)
GSM 155.592.109 88,61
CDMA 7.524.807 4,29
WCDMA 7.465.422 4,25
Terminal de Dados 4.721.411 2,69
TDMA 292.190 0,17
AMPS 3.321 0

Fonte: Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL

Bom dia e bom trabalho!

Advertisements

Copagaz: patrocínio inédito ao Futebol Feminino do Santos

Como cita um dos ditados mais tradicionais dentro do universo dos boleiros, “em time que está ganhando não se mexe”. Após uma temporada de sucesso em 2009, a equipe de Futebol Feminino do Santos Futebol Clube mantém um de seus principais reforços no elenco: a Copagaz, quinta maior distribuidora de GLP (gás de cozinha) do país, que fecha contrato com valor inédito no país para o Futebol Feminino.

Ueze Zahran ao lado de Aline Pellegrino e Calan
“O novo patrocínio será um dos maiores do Brasil em questão de valores, o que mostra que os objetivos que traçamos no ano passado, como valorização da mulher e da prática do futebol feminino no país, além do retorno em exposição da marca Copagaz foram alcançados”, explica Ueze Zahran, diretor-presidente da companhia. Para esse ano, a Copagaz almeja ampliar a aliança da sua marca com a do Santos. “Acreditamos que a parceria repercutirá positivamente em nossos negócios, por conta da representatividade do Santos em todo o território nacional e fora do país também”, completa o executivo.

“A Copagaz dá uma grande demonstração de sensibilidade ao continuar sua bem-sucedida parceria com o Santos FC. Certamente a renovação do patrocínio nos ajudará a manter uma equipe forte e vitoriosa para esta temporada”, afirma Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, presidente do Santos FC.

Se para as Sereias da Vila a parceria rendeu muitas conquistas na temporada passada, tais como os títulos da Copa do Brasil e da primeira edição da Copa Libertadores da América de Futebol Feminino, o mesmo pode ser atribuído à Copagaz. “Os retornos obtidos com o patrocínio superaram nossas expectativas. Registramos aumento significativo das vendas de botijões de gás GLP em toda a região da baixada santista e esperamos que o resultado para este ano seja ainda mais surpreendente”, completa Zahran.

Contrato Renovado
A tabelinha entre Copagaz e as Sereias da Vila está mantida para a temporada 2010. A empresa renova o patrocínio com o Alvinegro Praiano por mais um ano. O novo contrato é inédito no País e atinge cifra superior a acertada no ano passado. Depois de alcançar o objetivo de valorizar a prática da modalidade no Brasil, agora, clube e companhia se juntam para brigar pela realização do primeiro Mundial Interclubes da categoria. O lançamento oficial do patrocínio, um dos maiores do país em questão de valores, acontece na terça-feira (2 março 2010), às 11 horas, no Salão de Mármore Vasco José Faé, do Estádio Urbano Caldeira (Rua Princesa Isabel, s/nº – Vila Belmiro), em Santos (SP).

Copagaz
Fundada há 54 anos, a Copagaz é distribuidora e engarrafadora de gás liquefeito de petróleo, o GLP (gás de cozinha). Atualmente, produz 500 mil toneladas de GLP por ano, faturando mais de R$ 1 bilhão. Possui cerca de 1100 colaboradores e está presente em 20 estados brasileiros e no Distrito Federal, por meio de suas 13 engarrafadoras e uma rede composta por 2,5 mil revendedores, que abastecem milhões de lares, indústrias e empresas. Associada ao Instituto Ethos, desde 2001 é signatária do Pacto Global das Nações Unidas, cujo objetivo é mobilizar a comunidade empresarial a fim de que promova valores fundamentais nas áreas de direitos humanos, direitos do trabalho, meio ambiente e combate à corrupção.

Fonte: Santos Futebol Clube. Mais informações sobre o Santos, clique aqui.

TV por Assinatura alcança mais de 25 milhões de brasileiros

Com 149.913 de novos assinantes em janeiro de 2010, o Brasil chegou a 7.623.389 domicílios com TV por Assinatura.

O crescimento observado representa uma evolução de 2,01% em relação à base de assinantes de dezembro de 2009, maior percentual verificado desde 2006 para o mês de janeiro.

Esse índice é quase duas vezes maior que o verificado no mesmo período de 2009 (1,14%).

Se considerarmos o número médio de pessoas por domicílio divulgado pelo IBGE (3,3 pessoas*), os Serviços de TV por Assinatura são distribuídos, atualmente, para cerca de 25,2 milhões de brasileiros.

 (*) O número médio de 3,3 pessoas por domicílio no Brasil é informado pelo IBGE na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2008, última informação disponibilizada por aquele órgão, clique aqui, para maiores informações.

Os dados foram extraídos do Sistema de Acompanhamento das Obrigações das Prestadoras de TV por Assinatura – Anatel (Satva) – janeiro de 2010.

Fonte: Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL 

 Bom dia e bom trabalho!

As novidades do Santos Futebol Clube

Assinatura de contrato entre o Santos Futebol Clube e a Seara Alimentos
O Santos Futebol Clube e a Seara Alimentos, do grupo Marfrig, assinam contrato de patrocínio nesta sexta-feira (26), no CT Rei Pelé. A partir do dia 28 de fevereiro, data do clássico contra o Corinthians, na Vila Belmiro, a empresa estampará suas marcas nas mangas das camisas de jogo até o final de 2010.
Memorial das Conquistas do Santos FC tem nova grade de funcionamento
O Memorial das Conquistas do Santos Futebol Clube terá nova grade de funcionamento a partir de 1º de Março de 2010 (próxima segunda-feira). O museu passará a funcionar de terça-feira a sábado, das 9 às 19 horas, e, aos domingos, no mesmo horário, fechando das 12h30 às 13h30. Às segundas-feiras, o Memorial ficará fechado, exceto em feriados.
Vale lembrar que, nos dias de jogos no Estádio Urbano Caldeira (Vila Belmiro), o museu encerrará suas atividades sempre quatro horas antes do início das partidas. Neste domingo (28), data em que o Peixe enfrenta o Corinthians em casa, o Memorial funcionará das 9 às 12 horas.
Já a Umbro Store, a loja oficial do Alvinegro Praiano, continuará funcionando até o horário de início dos jogos.
O Memorial das Conquistas do Santos FC e a Umbro Store estão localizados à Rua Princesa Isabel, 77, nas dependências do Estádio Urbano Caldeira, no bairro da Vila Belmiro, em Santos (Litoral de São Paulo). Mais informações sobre o museu podem ser obtidas através do telefone (13) 3257-4100 ou (13) 3257-4099.
Fonte: Arnaldo Hase, Santos Futebol Clube.

Brasil está entre os principais mercados para fusões e aquisições do setor de mineração

O Brasil foi um dos destaques nas fusões e aquisições da indústria de mineração e metais em 2009 – tendência que deve ser mantida para 2010, com crescente investimento de compradores da Ásia e Oriente Médio, a despeito da volatilidade que ainda deve se manter no mercado. É o que aponta o estudo sobre Transações Globais no Setor de Mineração e Metais em 2009 desenvolvido pela Ernst & Young.
O Brasil ficou em quarto lugar no ranking globaldos maiores mercados-alvo e na sexta posição entre os maiores compradores. “As grandes empresas brasileiras têm não apenas sido alvo de interesse, mas também têm mostrado grande apetite e potencial para aquisições visando a consolidação do mercado”, explica Luiz Claudio Campos, diretor de Project Finance da Ernst & Young Brasil.
Na listagem dos principais negócios concretizados no ano passado, a Vale é mencionada duas vezes. A empresa foi alvo da maior transação do ano ao ter 5% de suas ações adquiridas pelo Barclays PLC, banco do Reino Unido, por US$ 3,5 bilhões. Além disso, a empresa também é citada por ter ampliado sua participação na ThyssenKrupp, numa operação de US$ 1,4 bilhão.
A Usiminas também foi destaque no relatório, como alvo de interesse dos compradores japoneses. A Nippon Steel gastou US$ 205 milhões para ampliar em 3,4% sua participação acionária na empresa, passando a controlar 26,7% da companhia.
O relatório da Ernst & Young mostra ainda que o Brasil está entre os Países que mais receberam investimentos na área de mineração no ano passado. Segundo Campos, o efeito mais profundo da crise financeira sobre o setor foi o travamento de projetos de crescimento da oferta, que impactam na capacidade de abastecimento.
A perspectiva é de manutenção da tendência para 2010, apesar das restrições ainda existentes ao crédito. “A volatilidade do mercado e os rescaldos da crise financeira devem diminuir o apetite por transações de risco, é esperado um crescimento tanto no número quanto no volume das transações para este ano”, afirma.
O estudo aponta que, no ano passado, foram 1.047 negociações de fusões e aquisições no setor de mineração em todo o planeta, que movimentaram US$ 60 bilhões (ante 919 negociações que movimentaram US$ 126,9 bilhões em 2008).
A China foi responsável por 27% do volume de transações (US$ 16,1 bilhões) – nos últimos dez anos, empresas chinesas foram responsáveis por 369 negociações, totalizando mais de US$ 50 bilhões.

Fonte: FSB Comunicações/Ernst & Young.

Pós-Graduação: Gestão e Inteligência Competitiva, FACE – PUCRS, Porto Alegre

Diante do atual cenário de incertezas, variáveis dinâmicas e constantes mudanças exige-se um permanente aprendizado e atualização para gerir os negócios empresariais em nível estratégico e tático, portanto, neste contexto, cursar especialização em Gestão e Inteligência Competitiva, vai proporcionar um diferencial competitivo em nível profissional e ao mesmo tempo possibilitar contribuir para os resultados organizacionais, ao desenvolver competências que vão oportunizar atuar com métodos de gestão que permitam antecipar futuras direções e tendências, ao invés de somente reagir ao que o mercado apresenta de desafios, pois com conhecimentos teóricos e aplicáveis sobre gestão e inteligência competitiva é possível agregar melhores resultados e buscar o crescimento organizacional.

Informações Gerais

Início do Curso

23 de abril de 2010.

Dias e Horários

Quintas-feiras e sextas-feiras à noite (semanalmente), 19h às 22h30min e sábados pela manhã, (quinzenalmente), das 8h45min às 12h.

Carga Horária

360 horas – 24 créditos

Investimento

1+16 parcelas de R$ 690,00
Isenção de matrícula para alunos egressos de cursos de graduação da PUCRS.

Coordenação

Profa. Me. Neusa Mendel

Para maiores informações e inscrições, clique aqui.

Santos Futebol Clube escala time de empresários

A volta de Robinho é considerada a primeira grande vitória de um grupo de homens de negócio que tentava, havia quase 20 anos, influenciar os rumos do Santos. “Eles foram absolutamente decisivos neste episódio”, afirma Ribeiro (o presidente alvinegro, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro).

O embrião da turma se formou em 1992, com Álvaro de Souza, que na época era um executivo em ascensão no Citibank do Brasil – e viria a presidir o banco no ano seguinte. Inconformados com a estiagem de títulos – o último havia sido conquistado em 1984 -, uma trupe de executivos santistas começou a discutir como fazer o clube voltar aos bons tempos.

A idéia era colocar sua experiência corporativa a favor da diretoria da equipe – já comandada, naquela época, por Marcelo Teixeira – para melhorar a gestão, captar recursos e investir em bons jogadores.

As conversas com a diretoria do time não foram adiante, mas o grupo nunca mais se separou.

Em 2002, no mesmo ano em que o Santos conquistou o Campeonato Brasileiro e revelou a geração de Robinho, Diego e Elano, a turma de torcedores engravatados ganhou ares de torcida organizada.

Os empreendedores alvinegros fundaram a Resgate Santista, uma agremiação com a qual colaboram mensalmente e que se reúne sem muita periodicidade na casa ou no escritório de quem estiver disponível.

No ano passado, para eleger Ribeiro presidente do clube e encerrar a hegemonia de Marcelo Teixeira, a Resgate entrou em campo com um time de peso, reunido na Gestão Unificada de Inteligência e Apoio ao Santos (Guia).

Entre seus 22 integrantes, figuram nomes como o de Álvaro Simões (presidente da incorporadora Inpar); Celso Loducca (da agência de publicidade Loducca); Fábio Barbosa (presidente do Santander e da Febraban); Guilherme Leal (um dos donos da Natura); Luiz Eduardo Falco (presidente da Oi); e Pedro Mello, presidente da KPMG.

Fonte: Márcio Juliboni, Exame. Para ler mais, clique aqui.

Bom dia e bom trabalho!

Petrobras deve ser a petroleira com maior lucro em 2009

A manutenção dos preços da gasolina e do diesel no mercado doméstico – independentemente das oscilações do barril no exterior – deve elevar a Petrobras à categoria de petroleira com o melhor resultado em 2009.
Enquanto as maiores petroleiras internacionais (Exxon, Chevron e Shell) amargaram no fechamento de 2009 queda de mais da metade do lucro recorde do ano anterior e companhias de menor porte (BG e BP) ficaram na casa dos 20% abaixo de 2008, a Petrobras, pode ter um desempenho melhor, na opinião do diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires.
“As companhias maiores são mais verticalizadas, possuem refinarias ou participam de alguma maneira de forma mais direta ao longo da cadeia produtiva. Com isso, perdem mais dinheiro porque têm uma diminuição do lucro dela nas vendas de derivados”, disse Pires.
Petroleiras menores, mais concentradas na área de Exploração e Produção, tiveram uma redução menor do seu lucro, com a valorização do barril ao longo do ano. “A Petrobras reverte esse cenário, porque possui uma posição ímpar. Quando o preço do petróleo cai muito, aí é que ela ganha dinheiro vendendo gasolina”, comentou Adriano Pires.
Fonte: Agência Estado/Exame. Foto: PETROBRAS

Feliz Ano Novo e o livro “The quants” (gênios da matemática que quase destruíram o sistema financeiro)

Bem passado o Carnaval no Brasil, é hora de começar o ano. E um ano repleto de emoções com Copa do Mundo e eleições.

Então leitores, twiteiros, blogueiros, internautas: Feliz Ano Novo.

E para começar a temporada um bom livro.

 Após a crise financeira americana e depois internacional de 15 de setembro de 2008 nos Estados Unidos da América, cada vez mais vem sendo questionado os modelos analíticos, em especial os modelos matemáticos adotados pelos fundos de investimento, que levaram a uma avaliação irrealista e risco, combinados a níveis insustentáveis de endividamento.

Tudo isso não seria possível sem sistemas complexos de computação, que permitiram analisar volumes imensos de dados em tempo real, e fazer apostas automáticas em alta velocidade, baseadas em modelos pré-programados.

Em reportagem de Renato Cruz, Estado de S.Paulo, é apresentada a visão do livro The quants: How a new breed of math whizzes conquered Wall Street and nearly destroyed it (Crow Business). Em português: Os quants: Como uma nova raça de gênios da matemática conquistou Wall Street e quase a destruiu.

O livro foi escrito pelo jornalista do Wall Street Journal, Scott Patterson, lançado no início deste mês nos Estados Unidos.

Os “quants” são os gênios da matemática que tomaram conta de Wall Street nos últimos anos. Eles baseiam suas apostas em análises quantitativas, no lugar de análises fundamentalistas, como as que são feitas, por exemplo, por Warren Buffett (segundo homem mais rico do mundo).

Buffett analisa os fundamentos das empresas em que investe, verificando itens como taxa de crescimento, vendas e lucratividade.

Na análise quantitativa, as apostas são feitas com base em estatísticas (ah quero ver a cara do José Mauro ao ler isso!), que alimentam modelos matemáticos complexos, independentes do que cada papel representa fora do mundo financeiro.

“Apesar de toda racionalidade, não estavam imunes à ganância”

Em entrevista por correio eletrônico ao Estado, Patterson afirma “quando bancos e fundos de hedge começaram a quebrar em 2007 e 2008, eles criaram uma contração maciça de crédito por toda a economia global”.

No livro, o jornalista conta a história de investidores como Keneth Griffin, fundador do fundo de hedge Citadel, em Chicago, que, antes da crise, chegou a pagar 80 milhões de dólares por uma pintura de Jasper Johns e fazer sua festa de casamento no Palácio de Versalhes, em Paris.

Ainda segundo o autor, a culpa dos “quants” na crise do subprime não se resumiu à contração de crédito. A engenharia financeira sofisticada desenvolvida por esses gênios matemáticos permitiu agrupar hipotecas de alto risco em papéis financeiros (derivativos) classificados como grau de investimento, com chances remotas de não serem honrados.

Como pessoas tão espertas, com doutorado nas melhores faculdades americanas, conseguiram errar tanto?

A resposta mais provável é que, apesar de os “quants” operarem num nível racional, eles não eram invulneráveis a uma emoção humana essencial: a ganância.

Para finalizar, na opinião de Patterson, isso indica que crises como essas vão ocorrer de novo. “Isso totalmente pode e possivelmente acontecerá novamente”.

“Acho que os reguladores precisariam tornar o sistema mais transparente. Ainda hoje não sabemos o que se esconde nos balanços de vários bancos.”

O livro traz um aviso de Warren Buffett: “cuidado com os geeks que criam fórmulas“. (geek – palavra em inglês para designar uma pessoa obcecada por tecnologia e áreas correlatas).

Fonte: Renato Cruz, O Estado de S.Paulo, 14 fev. 2010.

Bom dia e bom trabalho!

Inovação, Ideias e a próxima revolução industrial

Na Exame 962 que está circulando, um dos destaques é o especial “Ideias”.

Segundo Chris Anderson, editor-chefe da Revista Wired e autor dos livros A Cauda Longa e Grátis – o Futuro dos Preços “desenhe um produto inovador, faça os protótipos em casa e contrate uma empresa chinesa para fabricá-lo. A manufatura em pequena escala é a próxima revolução industrial”

Como construir seu sonho

Na era da democratização da indústria, toda garagem pode ser uma microfábrica, e todo cidadão, um microempreendedor. Como transformar uma grande ideia num grande produto

1) Invenção

Pare de reclamar da falta de produtos legais — crie o seu. Dica dos profi ssionais: verifi que se a ideia ainda não foi patenteada

2) Desenho

Use ferramentas gratuitas, como o Blender ou o Google SketchUp, para criar um modelo digital em 3D. Ou então baixe um design da web e faça suas adaptações

3) Protótipo

Você não precisa ser Geppetto para criar um protótipo. Pequenas impressoras 3D, como a MakerBot, custam menos de 1 000 dólares. Envie o arquivo e veja a máquina transformar sua visão num modelo de plástico

4) Fabricação

A produção limitada pode acontecer na garagem. Se quiser crescer, seja global e terceirize. As fábricas chinesas estão à espera. Sites como o Alibaba.com podem ajudá-lo a encontrar o parceiro ideal

5) Venda

Os clientes podem encontrá-lo diretamente, pela web ou por intermédio de vendedores especializados. Você pode criar uma loja online — e preparar-se para se tornar um ícone da revolução industrial do “faça você mesmo”

Fonte: Exame, 24 de Fevereiro de 2010. Os assinantes de Exame, podem ler mais, ao clicar aqui.

Bom dia e bom trabalho!