Obra de Sathya Sai Baba: Educação

Sathya Sai Baba dá grande importância a uma educação adequada para as crianças e os jovens. Os pais e os líderes comunitários são incentivados a se interessarem não só pelas experiências formais (acadêmicas), mas também pelas experiências informais às quais as crianças e os jovens são expostos.

Baba estabeleceu um método educacional focalizado nos Valores Humanos universais (Verdade, Retidão, Paz, Amor e Não-Violência). Para implementá-lo, fundou escolas primárias e secundárias, além de uma conceituada universidade com três campi, que oferece cursos de graduação, mestrado e doutorado. Nenhuma taxa é cobrada pelos cursos e a admissão não depende de raça, religião ou situação financeira.

Instituto Sri Sathya Sai de Ensino SuperiorAlém de enfatizar a obtenção da excelência acadêmica, o sistema de educação integral de Sathya Sai fomenta a autodisciplina e a boa conduta social. Os estudantes recebem orientações sobre moralidade e espiritualidade e dedicam várias horas semanais ao serviço comunitário. Sathya Sai Baba diz: “O objetivo da educação é o caráter”. Ele também declara:

Se houver retidão no coração, haverá beleza no caráter.
Se houver beleza no caráter, haverá harmonia no lar.
Se houver harmonia no lar, haverá ordem na nação.
Quando houver ordem na nação, haverá paz no mundo.

A Educação Sathya Sai vem transformando o ensino na Índia e em vários países que contam com a presença da Organização Sri Sathya Sai. No Brasil, já estão em funcionamento cinco Escolas Sathya Sai: em Vila Isabel (no Rio de Janeiro), Recife, Goiânia, Ribeirão Preto (SP) e Belo Horizonte. Em Ribeirão Preto, também se localiza o Instituto Sri Sathya Sai de Educação em Valores Humanos, criado para difundir o método, a filosofia e sua prática.

Fonte e mais informações sobre Sathya Sai Baba, Organização Sai clique aqui.

Advertisements

Só com a marca Parmalat

Endividada, sem caixa e com a credibilidade arranhada no mercado, a Laep, controladora da Parmalat, decidiu colocar boa parte dos seus ativos à venda.

Nos últimos dias, começou a oferecer a concorrentes e fundos de private equity imóveis, fábricas e marcas consideradas não estratégicas, como a Glória.

O fundador da Laep, o empresário e colunável Marcus Elias, está disposto a vender tudo. Menos a marca Parmalat.

Até fazendas, vacas, um jato e um helicóptero foram incluídos no pacote. A empresa tem urgência em fazer caixa para continuar tocando o negócio.

A proposta de venda de ativos – já aprovada em reunião de Conselho de Administração e enviada à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) – será discutida na assembléia de acionistas convocada para o dia 12 de dezembro.

A decisão alteraria o plano original apresentado aos investidores no prospecto do IPO (oferta inicial de ações), feito em outubro do ano passado. Até o início do ano, a Laep era a quarta maior produtora de lácteos do País, atrás apenas de Nestlé, Perdigão e Itambé.

Depois de uma série de aquisições, chegou a captar 4 milhões de litros de leite por dia. Agora, sua captação caiu pela metade e pelo menos três fábricas estão paradas.

A situação é dramática: as ações caíram mais de 90% este ano e valem R$ 0,47. Para piorar, os bancos pequenos e médios, que costumavam emprestar dinheiro para a Laep, cortaram o crédito.

Procurada, a empresa não quis dar entrevista. As negociações estão só no começo, segundo fontes próximas à companhia. Mas a expectativa de arrecadação não é muito grande.

Afinal, o momento não é propício e boa parte dos ativos tem baixa liquidez.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo e também publicadas no Portal Exame.

Bom dia e bom trabalho.

Volume de “propaganda” pelos Correios aumenta antes do Natal

O empresário brasileiro leva a sério a máxima “quem não anuncia, não vende”. É o que se pode constatar diante do aumento de envio de correspondência publicitária pelos Correios no período que antecede o Natal.

Outubro é o mês do ano em que o volume mais cresce – em 2008, foi 7% maior do que a média dos outros meses e em 2007, chegou a ser 10,8%.

Em novembro, embora o número de postagens apresente pequena queda em relação a outubro, continua alto. Em 2007, nesse mês, foram enviadas no Brasil 167 milhões de correspondências publicitárias – a média mensal do ano foi de 158 milhões.

O aumento do volume da publicidade via Correios se justifica porque, apesar do surgimento de novas tecnologias, a propaganda impressa chama mais a atenção do consumidor. Além de se destacar entre as centenas de e-mails que o usuário recebe toda semana – e que muitas vezes são automaticamente barrados ou apagados -, uma carta dificilmente será rasgada sem ser aberta. Além disso, apenas uma pequena parte da população brasileira tem acesso à internet – apenas 21%, de acordo com o IBGE e o Ibope NetRatings.

Outro sinal de que o empresariado está investindo cada vez mais nesse tipo de abordagem vem dos indicadores da Associação Brasileira de Marketing Direto (Abemd) sobre o serviço de mala-direta, que mostram crescimento de aproximadamente 10% nas receitas de impressão e distribuição em 2007 (respectivamente R$ 2,52 bilhões e R$ 2,5 bilhões).

Encomendas – Com o aumento no volume de propaganda, há também um conseqüente aumento no volume de produtos entregues. No último bimestre de 2007, houve um aumento de 50% no volume de encomendas PAC e e-SEDEX (as mais usadas pelas empresas que fazem marketing direto) em relação à média movimentada nos demais meses do ano.

A encomenda PAC costuma ser usada para reposição de estoques no ponto de venda e para entrega de produtos adquiridos por catálogo e pelo comércio eletrônico. Já o e-SEDEX é utilizado pelas empresas basicamente para a entrega de produtos adquiridos no comércio eletrônico para o consumidor final.

No último trimestre de 2007, o volume total de encomendas distribuídas pelos Correios foi cerca de 15% maior do que a média dos outros meses do ano. A expectativa para o último bimestre de 2008 é que os Correios movimentem 35 milhões de encomendas.

Fonte: Correios

Pesquisa aponta brasileiros entre os mais perdidos do mundo

Perder-se em Londres é inevitável. De acordo com uma pesquisa organizada pela Nokia, o maior fornecedor mundial de dispositivos móveis com mapas integrados, há mais pessoas perdidas em Londres do que em qualquer outro lugar do mundo, incluindo cidades como Bangcoc e Pequim, que possuem quase o dobro do tamanho da capital inglesa. Mas os brasileiros não ficam muito atrás. Além de se perderem muito e demonstrarem resistência a dispositivos de navegação, alguns culpam as muitas tarefas a realizar e até os hormônios.

Os dados são parte de um estudo global, um dos maiores já feitos sobre navegação atualmente, em que 12.500 pessoas de 13 países foram perguntadas sobre seus sensos de direção e hábitos de navegação.

A pesquisa descobriu que uma a cada dez pessoas (10%) considera impossível navegar em Londres, seguido de perto por Paris (9%), Bangcoc (5%), Hong Kong (5%) e Pequim (4%), completando a lista das cinco cidades mais “perdidas” do planeta. Adicionalmente, a pesquisa mostrou ainda que um em cada três londrinos, quando perguntados por estranhos sobre direções de trânsito, dá informações erradas.

No Brasil, a pesquisa ouviu mil pessoas, em oito capitais. E os brasileiros se destacam como um dos povos mais perdidos. É o país, por exemplo, onde mais pessoas confessaram já terem faltado a compromissos por terem encontrado dificuldades em se localizar. Cerca de 8% dos entrevistados não conseguiram chegar a um casamento, encontro romântico ou uma comemoração de aniversário de alguém da família por esse motivo. Entre todos os países, o maior índice de pessoas que se perdem quando estão no exterior, 31%, também foi levantado no Brasil.

Um dos motivos apontados para a desorientação é a realização de mais de uma tarefa ao mesmo tempo. Quando nessa situação, 27% declararam não encontrar o caminho certo. Já as mulheres brasileiras têm outra justificativa: os hormônios. Para 3% delas – também o maior índice encontrado na pesquisa – são eles os culpados.

Paradoxalmente a essa dificuldade de se localizar, o brasileiro ainda se mostra resistente à adoção de algum equipamento de navegação móvel. Apenas 5% disseram que utilizariam esse tipo de dispositivo. Quanto a dar informações erradas a pessoas perdidas, 15% admitem fazê-lo para parecerem mais sabidos.

Outros destaques da pesquisa no Brasil:

  • Em São Paulo, 16% dos entrevistados já perderam uma entrevista de emprego por não acharem o caminho. Em Belém, o mesmo percentual admite não ter chegado a um encontro de negócios por esse motivo.
  • Curitiba teve o maior índice de perdidos – 31%
  • Em Porto Alegre, 9% acham divertido dar informações erradas a pessoas perdidas
  • 14% dos moradores de São Paulo e Porto Alegre acreditam que o senso de direção é inato. No Rio de Janeiro, quase a metade acredita que ele melhora com a experiência
  • Em Salvador, mais de um terço alega que se perde quando chove
  • Em Fortaleza, 31% admitiram passar informações erradas para estranhos que estejam perdidos
  • Em Recife, 13% já perderam uma cerimônia de casamento por não terem encontrado o caminho da igreja

Navegação digital supera os mapas tradicionais

Mais de 25% das pessoas entrevistadas globalmente baseiam-se em mapas digitais e ferramentas móveis de navegação para encontrar seus caminhos. De forma mais específica, 13% das pessoas usam um telefone móvel como sua primeira fonte de navegação, número que não passava de zero até alguns anos atrás.

O país com o melhor senso de direção é a Alemanha, onde um terço das pessoas consultadas afirma nunca ter se perdido. Como era de se esperar, portanto, a Alemanha é também o país com a maior dependência em navegação via satélite: uma em cada 10 mulheres no país admite não conseguir ler um mapa em papel (o dobro do número de homens). Isso mostra que o fim dos mapas tradicionais e das bússolas está se aproximando rapidamente, junto com a habilidade para decifrá-los.

Senso de direção

Uma em cada cinco pessoas acredita que o senso de direção é genético e que os que têm pouco senso de direção simplesmente nasceram dessa maneira. De toda forma, ter um bom senso de direção parece raro e, apesar dos grandes avanços dos mapas online e navegação móvel, praticamente todas as pessoas entrevistadas na pesquisa (93%) ainda se perdem regularmente, com a média de 13 minutos perdidos por pessoa. Isso tem grandes implicações, com uma em cada dez pessoas perdendo uma entrevista de emprego, uma importante reunião de negócios ou um vôo por não ter achado o trajeto. O incômodo tem afetado também a vida pessoal das pessoas, com um em cada 10 brasileiros perdendo encontros por não achar o caminho.

“Cada vez mais pessoas têm se sentido confortáveis ao usar ferramentas de navegação em seus celulares ou carros, e vêem os benefícios diretos desses sistemas no dia-a-dia”, diz Fiore Mangone, diretor de Serviços & Softwares da Nokia no Brasil.

“As pessoas podem customizar suas navegações no celular de acordo com a rota que será feita e atualizar informações mais rápido e facilmente do que com mapas tradicionais. Você ainda pode habilitar a navegação para mostrar os caminhos que evitem trânsito e ruas em manutenção – detalhes que normalmente causam problemas na hora de achar um caminho”.

Mantendo-se atualizado em um cenário mutável

Quando abordado por estranhos pedindo informações, muitas pessoas usam pontos de referência como estátuas, igrejas e pontes para se referir ao destino. Contudo, pessoas na Inglaterra preferem usar bares locais (os pubs) como pontos de referência. Em outro exemplo de cultura, os chineses usam arranha-céus para dar direções.

“Com as cidades crescendo rapidamente e novas estradas e prédios sendo construídos a todo o tempo, as pessoas estão mais preocupadas com ferramentas de navegação móveis que podem estar sempre com eles. O desenvolvimento de navegações para pedestres é uma tecnologia que deveria ser abraçada, já que ajuda as pessoas a chegar a um destino mais facilmente”, acrescenta Marita Markkula, responsável pelo Marketing do serviço Nokia Mapas.

O serviço Nokia Mapas, que combina os últimos serviços com aparelhos como o Nokia 6210 Navigator ou o Nokia N96, são perfeitos para se manter na rota. As pessoas podem encontrar seu destino de forma mais eficiente com detalhes de navegação para pedestre, GPS de alta sensitividade e bússola integrada. O Nokia Mapas é a companhia perfeita para viagens no país de origem ou fora dele.

Fonte: LVBA

Bom dia e bom trabalho.

Mundo Corporativo com Heródoto Barbeiro

Mais informações sobre ‘Inteligência competitiva para pequenas e médias empresas’ na Entrevista com Alfredo Passos, professor e autor do livro e o Jornalista Heródoto Barbeiro da Rádio CBN.

Leia também o Blog do Barbeiro ao clicar aqui.

Bom dia e bom trabalho.

A preparação para a data mais importante do ano

O Carrefour já está preparado para atender à principal data do calendário varejista.
A previsão da rede é alcançar crescimento de 15% entre as categorias alimentar e não-alimentar.
O Açougue é uma das principais áreas do período e espera comercializar 5 mil toneladas de aves natalinas e 7 mil toneladas das demais carnes.
Outra grande aposta da rede são os panetones. A meta é vender acima de 5 milhões de unidades, sendo que a Padaria Carrefour deve representar mais de 40% desse total com os panetones de fabricação própria.
Já para Eletro, o foco são as categorias Informática e Vídeo, com destaque para TVs de LCD e Plasma e Notebooks.

Neste Natal, a empresa trabalha fortemente o diferencial de preço competitivo, resultado de grandes negociações antecipadas feitas com seus fornecedores.

De acordo com Roberto Britto, Diretor de Não-Alimentar e Serviços do Carrefour, essa capacidade do Grupo de se preparar para oferecer um Natal com preços baixos e amplo sortimento deverá ser a responsável por gerar o crescimento previsto de 15%. “Mantemos nossa política de facilitar o acesso ao crédito para nossos consumidores. O Cartão Carrefour, com base instalada de nove milhões de cartões, oferece condições especiais de pagamento e descontos em diversos produtos”.

Alimentar
Com expectativa de vender 5 mil toneladas de aves natalinas, o Carrefour terá opções para todos os gostos: Peru, Ave Fiesta e Chester. A Ave Classy Carrefour deve se destacar, com previsão de 50% no aumento das vendas, no comparativo a igual período de 2007.

O consumidor encontra ainda diversidade em carnes no Açougue Carrefour: Picanha, Alcatra, Maminha, Fraldinha, Lagarto, Pernil, Paleta, Lombo e Paleta de Cordeiro. Para atender aos gostos mais diferenciados, a empresa oferece carnes de pato, marreco e coelho.

A Peixaria Carrefour também apresenta alta nesta época do ano. Entre os pescados mais procurados estão o salmão e camarão, com destaque para o Salmão do Chile, que deve responder por 25% das vendas do setor.

O Carrefour também está otimista com as vendas de panetones e para atender à demanda, a empresa trabalha com 13 marcas, entre nacionais e regionais, além das marcas próprias da rede, Viver e Carrefour. A expectativa de comercialização de panetones da Padaria Carrefour é de algo acima de 2 milhões de unidades.

A linha de panetones Marca Própria terá oito tipos diferentes, entre as marcas Carrefour, Viver e 1º Preço, com o objetivo de atender aos mais variados orçamentos. Destaque para a edição limitada do Panetone de Damasco com Uvas-Passas e Amêndoas Carrefour*, que possui 1 Kg e vem embalada em uma lata comemorativa à data. As Marcas Próprias da rede também assinam outros produtos natalinos: cesta de natal, compotas – como pêssego, figo e abacaxi, vinhos, azeite, torrone, além das aves natalinas.

Segundo Manoel Araújo, Diretor Alimentar do Carrefour, “pensamos estrategicamente um sortimento de produtos alimentares e bebidas nacionais e internacionais para atender aos desejos de nossos consumidores. Tudo isso com qualidade e preço baixo que são atributos da companhia”.

Para facilitar o preparo das ceias de Natal e Ano Novo, as Rotisserias Carrefour** terão um cardápio variado. Entre os pratos e acompanhamentos, estão: Arroz com Frutas Secas, Farofa de Natal, Bacalhau do Chef, Peru Assado com Fios de Ovos, Pernil com Frutas Secas, Chester Assado com Pêras, Tender ao Molho de Laranja e Lombo Assado com Maçã e Amêndoas. Entre os mais procurados estão: Peru, Bacalhau, Arroz com Frutas Secas e a Farofa Natalina. Não é necessário encomendar os pratos, pois as lojas terão os produtos no cardápio. Caso precise de uma quantidade específica, o consumidor poderá fazer a encomenda com até 24 horas de antecedência.

A seção FVL – Frutas, Legumes e Verduras – também ganha um incremento nesta data. Ameixa, Nectarina, Pêssego, Uva, Cereja e Maças estão entre as frutas mais vendidas, com opções de frutas importadas, principalmente do Chile e Argentina. Em Cestas de Natal, o Carrefour terá um sortimento de 15 tipos, que devem atingir crescimento de 20%, no comparativo a igual período do ano anterior. Há opções para todos os bolsos, variando entre R$ 19,90 e R$ 110,00.

As Adegas Carrefour estão trabalhando fortemente com promoções, que irão até o fim de Dezembro. São ações como Leve Mais e Pague Menos e packs promocionais de destilados, com brindes gratuitos. A empresa oferece bebidas de diversas nacionalidades, como Brasil, Argentina, Chile, Itália, Portugal e França. No total, 60% do sortimento são importados. Na ocasião das festas de fim de ano, Espumantes, Vodkas e Whiskys despertam mais o interesse dos consumidores. A expectativa é crescer 20% nas vendas desses itens.

Não-Alimentar
Quando o tema é decoração natalina, o Carrefour já se tornou referência por conta da diversidade de produtos e preços baixos. São 225 itens, entre as marcas Lutin, Wonderland e Eye Candy, com preços a partir de R$ 1,49. Para preparar a casa para as festas, o cliente terá árvores, bolas, velas, guirlandas, laços, pelúcias, bolas, correntes, pisca-pisca, tudo com inspiração natalina. Os itens de decoração com apelo para festas estão disponíveis na Linha Glamour, cor branca com prata, ou Cobre, combinação entre dourado e vinho.

As categorias Artes da Mesa, Móveis de Interior e Móveis de Jardim estão em destaque no segmento de decoração. Para atender os que planejam passar as festas fora da cidade, a empresa preparou um mix de produtos para praia e camping. Ainda em decoração, o setor Têxtil trabalha com toalhas de mesa e guardanapos de pano com motivos natalinos.

O segmento de vestuário está com uma variedade de roupas e lingeries inspirados no clima de festas, nas cores branca, amarela e vermelha, que são as mais procuradas nesta época do ano. Além das marcas Tex e Hang Ten, que assinam blusas, calças, saias, vestidos e camisetas, a rede aposta na linha de camisetas Disney para atender ao público infantil.

No setor de brinquedos, o Carrefour traz com exclusividade a linha educativa do Canal Discovery Channel, que desperta na criança curiosidade sobre temas como ciência, geologia e consciência ambiental com uma abordagem leve e divertida. Mundialmente conhecida, a coleção dedicada ao Brasil conta com 20 itens dos mais variados tipos de microscópios, telescópios, bússolas, globos terrestres, entre outros. Para tornar o presente ainda mais especial, a empresa trabalha com uma linha completa de papel de presente e cartões temáticos.

As categorias informática e vídeo são os destaques do Eletro, com previsão de vendas 40% superiores ao Natal de 2007, com a linha de notebooks e TVs de Plasma e LCD. Videogames, câmeras digitais, celulares e reprodutores de música (MP3 e MP4) estão nessa lista dos produtos mais comercializados do segmento.
* Exceto nas lojas de Manaus e Nordeste.
**Cardápio disponível nas lojas de SP, MG, RJ, RS, PR, PB, CE, PE, RN, MS, GO, DF e AM.

Fonte: A4 Comunicação
Bom dia e bom trabalho.

Global Trends 2025

A BBC Brasil, informa que a força econômica, militar e política dos Estados Unidos no mundo deve decair nas próximas duas décadas, segundo um relatório de agências americanas de inteligência divulgado nesta sexta-feira, 21 de novembro de 2008.

O relatório foi produzido pela National Intelligence Council (NIC), entidade que coordena o trabalho de todas as agências de inteligência do país.

O texto também afirma que a atual crise financeira é o começo de uma grande mudança na economia global, com transferência de renda do Ocidente para o Oriente e enfraquecimento do dólar.

A divulgação do documento da NIC coincide com a transição do governo de George W. Bush para o presidente eleito, Barack Obama, nos Estados Unidos.

Brasil, China e Índia

“Os próximos 20 anos de transição para um novo sistema estão cheios de riscos”, diz o relatório Global Trends 2025 (ou Tendências Mundiais 2025, em português).

O relatório é elaborado a cada quatro anos, sempre coincidindo com a posse de um novo presidente americano.

O documento prevê que até 2025 o mundo pode se tornar um lugar mais perigoso, com menos acesso das populações à comida e água.

Em outro trecho da matéria uma observação “Não está além do alcance dos seres humanos, ou dos sistemas políticos, (ou) em alguns casos (o) funcionamento de mecanismos do mercado, cuidar e aliviar e até solucionar esses problemas”, afirma Thomas Fingar, diretor da NIC.

Fonte: BBC Brasil. Leia matéria completa ao clicar aqui.

Bom dia e bom trabalho.