O bicentenário de Louis Braille

Iniciadas as comemorações mundiais do bicentenário do nascimento de Louis Braille (1809), criador do sistema de leitura e escrita para cegos.

O sistema braille deu acesso às pessoas cegas ao conhecimento científico, literário, filosófico, tecnológico e, acima de tudo, a inclusão na sociedade.

A comemoração dessa data é incentivada pela União Mundial dos Cegos (UMC), que atua junto às agências das Organizações das Nações Unidas (ONU) para assuntos relacionados à cegueira. A UMC representa mais de 180 milhões de pessoas e 600 organizações distribuídas em 158 paises.

No Brasil, os eventos serão comandados pela União Brasileira de Cegos (UBC), que instituiu a Comissão Brasileira para o Bicentenário de Louis Braille (CBBLB), integrada por um grupo de pessoas envolvidas com as diversas áreas de aplicação do sistema Braille.

A comissão tem como presidente de honra Dorina de Gouvêa Nowill, presidente emérita e vitalícia da Fundação Dorina Nowill para Cegos, que trabalha há mais de 60 anos na inclusão social do deficiente visual no Brasil.

“Duzentos anos são passados quando a brilhante inteligência de um jovem cego francês – Louis Braille, o precursor da inclusão, por meio de um sistema de comunicação escrita, uniu todas as pessoas cegas, em todos os quadrantes da terra, em todas as línguas, permitindo-lhes a abertura dos horizontes da mente e do saber, ascendendo-lhes no coração o calor da esperança na comunhão universal e na verdadeira participação na vida”, ressalta Dorina.

Entre as propostas do grupo destacam-se: criação do Dia Nacional do Braille e Semana Nacional do Braille em 2009.

O sistema Braille de escrita e leitura foi inventado na França por Louis Braille, por volta de 1825.

Com seis pontos em relevo, dispostos em duas colunas, possibilitaram inicialmente a formação de 63 símbolos diferentes que são empregados em textos literários nos diversos idiomas, como também nas simbologias matemática e científica, a música e, recentemente, na informática.

Natural de Coupvray, pequena aldeia a leste de Paris, Louis Braille nasceu em 4 de janeiro de 1809.

Braille, ficou cego em 1812, aos três anos, após se acidentar na oficina do pai. Ao tentar perfurar um pedaço de couro com uma sovela, aproximou-a do rosto, e acabou por ferir o olho esquerdo.

A infecção se expandiu e atingiu o outro olho, deixando-o completamente cego. Em 1819 deu entrada na Instituição Real dos Jovens Cegos, em Paris, onde iniciou as pesquisas para a criação do braille.

Seus estudos tiveram como ponto de partida o sistema de leitura com os dedos, usado para velar os segredos de mensagens militares e diplomáticas, crido pelo capitão de artilharia Carlos Barbier de La Serre, e denominado nocturna ou sonografia.

A Fundação Dorina Nowill para Cegos possui a maior imprensa braille do Brasil, onde são produzidos livros de literatura, didáticos, partituras de música, cardápios, cartões de visita, embalagens, entre outros.

Em 2007, a entidade atingiu a impressionante marca de mais de 33 milhões de páginas impressas em Braille.

Os livros editados pela entidade são distribuídos gratuitamente para deficientes visuais e mais de 1.650 organizações, como escolas, universidades e associações.

Bom dia e bom trabalho.

Advertisements

Os resultados da Vulcabras em 2008

O faturamento consolidado da Vulcabras no primeiro trimestre de 2008 cresceu 241% sobre o primeiro trimestre de 2007, atingindo R$ 423,8 milhões. Esta taxa de crescimento é a maior entre todas as empresas calçadistas nacionais de capital aberto.

Na comparação com uma consolidação “pró-forma” (incluindo Calçados Azaléia e Indular Manufaturas) houve um crescimento de 12%. As receitas no exterior representaram 16% do total, somando R$ 66,4 milhões, contra R$ 35,3 milhões no mesmo período de 2007 (crescimento de 88%).

A Receita Líquida nos três meses somou R$ 345,1 milhões, com um crescimento de 227% sobre o mesmo período de 2007,R$ 105,4.

Outro dado positivo apresentado no resultado contábil é o lucro consolidado depois dos impostos, que obteve um crescimento de 98%, atingindo R$ 27 milhões no período (após a dedução de R$ 3,5 milhões de ágio nas aquisições e de R$ 8 milhões de custo financeiro relativo ao financiamento das aquisições). O retorno sobre o patrimônio líquido excede a qualquer comparativo no setor.

No conjunto, o EBITDA cresceu 128%, com margem EBITDA sobre ROL de 17% nos três meses de 2008, e de 24% no mesmo período do exercício anterior.

Para o presidente do Grupo Vulcabras, Milton Cardoso, “os resultados alcançados são passos decisivos para o desenvolvimento do plano estratégico da Companhia e seus acionistas, cujo objetivo é criar sinergias que consolidem a Vulcabras como uma das mais importantes companhias de calçados e artigos esportivos do Brasil.”

Quadro de Pessoal

A Vulcabras é um dos maiores empregadores do Brasil. Hoje, são 30.087 empregados em todo o mundo, sendo 28.154 no Brasil, contra 9.004 no primeiro trimestre de 2007, 1.750 na Argentina (contra 908 em 2007) e 183 em outros países.

Com o início das operações das novas fábricas da Azaléia na Bahia (que estão recebendo investimentos em ativos fixos de R$ 27 milhões e gerarão 5 mil postos adicionais de trabalho) estima-se uma melhora considerável da margem bruta da Calçados Azaléia ao longo de 2008, já que os produtos terão um valor agregado crescente com o aumento mais que proporcional dos calçados esportivos de alto desempenho sobre o faturamento total, tanto na marca Olympikus quanto na Reebok.

Na Diretoria Industrial, o Grupo começa a colher frutos da conhecida flexibilidade da Vulcabras: os tênis da marca Olympikus começaram a ser produzidos nas plantas do Ceará e de Coronel Suárez, confecções Olympikus são produzidas no Ceará e as fábricas do Sergipe, antigamente dedicadas apenas a calçados femininos, também já produzem calçados esportivos.

Fonte: Textual Serviços de Comunicação

Bom dia e bom trabalho.

Blog já deixa de ser mero diário virtual

Agora há pouco, Lilian Burgardt, publicou uma matéria no Portal Universia sobre Blogs, mais especificamente como “professores o usam para intercâmbio de informações e difusão de idéias“. Fui honrado em ser um dos entrevistados da matéria, que reproduzo parte abaixo:

“…o professor de graduação e pós-graduação da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), em São Paulo, Alfredo Passos, decidiu escrever um blog para difundir para a sociedade aquilo que é discutido na universidade.

O professor, que já tinha um blog chamado inteligência competitiva, – uma das técnicas utilizadas para análise da concorrência – decidiu criar outro para tratar de temas de estudo e pesquisa em sua área de estudos: http://blogs.universia.com.br/alfredopassos/.

Passos explica que o doutorado foi sua grande motivação para desenvolver o novo blog. “Em meu doutorado senti a necessidade de pesquisar ainda mais e trocar informações com colegas sobre temas de nossa área de estudos. Daí surgiu a idéia de manter um blog como uma espécie de laboratório de informações mercadológicas, ou seja, um lugar que reunisse tendências e pesquisas em minha área de estudos”.

O professor da ESPM diz que sua maior preocupação é trazer para o blog informações que possam interessar não só a alunos que o acessam, mas professores/pesquisadores da área que usam a ferramenta como canal de troca de conhecimento. “Acho que a principal função do blog é essa. Nunca a vi como ferramenta para alavancar a carreira, mas com ela você troca informações e debate idéias com pessoas que nem sempre fazem parte do seu ciclo fechado de amigos. Você pode estar em contato com seus colegas e ao mesmo tempo estar conectado a outros professores e pesquisadores que navegam em busca de conhecimento”, ressalta Passos”.

Leia matéria competa, clique aqui.

Bom dia e bom trabalho.

Grupo Pão de Açúcar participa de ação para reduzir uso de sacolas plásticas

Representantes da Indústria do Plástico e associações de supermercados assinaram o Compromisso de Parceria para a implantação do Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas.

O acordo tem o objetivo de promover a melhoria da qualidade das embalagens e realizar uma ação educacional para esclarecimento da população sobre formas de uso mais responsável. A previsão é que com essas ações seja possível reduzir o consumo de embalagens plásticas em, no mínimo, 30%.

A parceria foi firmada na cerimônia de abertura da Apas 2008 e contou com a participação de cinco entidades – Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Associação Paulista de Supermercados (Apas), Plastivida Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos, Instituto Nacional do Plástico (INP) e Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Flexíveis (Abief).

Pesquisa realizada pelo Ibope no fim do ano passado com 600 pessoas mostrou que 71% delas manifestaram-se favoráveis ao uso de sacolinhas plásticas como forma ideal para o transporte de compras. O estudo revelou ainda que 100% usam as embalagens para o descarte do lixo doméstico, dispensando a necessidade de compra de sacos para esse fim.

O compromisso acontece inicialmente por meio de projeto piloto que será realizado a partir do dia 28/6 em dezoito supermercados na Grande São Paulo.

O grupo Pão de Açúcar participa com nove lojas e sua adesão está totalmente alinhada ao posicionamento da empresa de ser um agente de inovação e pioneirismo na área de sustentabilidade no varejo, com histórico de outras ações realizadas em prol do consumo consciente, incluindo alternativas em embalagens retornáveis, Estações de Reciclagem, entre outros, realizadas desde 2001.

Embalagens

Para oferecer uma alternativa ao uso das sacolas plásticas e diminuir o impacto dessas embalagens no meio ambiente, a rede Pão de Açúcar recebe esse material em suas Estações de Reciclagem e também lançou, há três anos, os primeiros modelos de sacolas retornáveis do varejo brasileiro, em parceria com a Fundação S.O.S. Mata Atlântica.

São quatro modelos de sacolas colecionáveis que trazem estampas de animais em extinção. Mais de 150.000 unidades de sacolas retornáveis já foram vendidas nas lojas Pão de Açúcar de todo o Brasil, com parte da renda revertida para os projetos ambientais da Fundação.

A empresa também já implantou programas eficazes de redução no consumo de energia e verifica importantes avanços no que diz respeito à ecoeficiência ao longo de toda cadeia de geração de valor. Faz parte também dessa estratégia, disseminar a experiência para outras empresas e comunidades trabalhando com campanhas e programas de estímulo envolvendo clientes e colaboradores do grupo.

Reciclagem

Além de participar do projeto das entidades, o Grupo Pão de Açúcar também prevê ampliar o programa das Estações de Reciclagem Pão de Açúcar Unilever atualmente presente em 94 lojas das redes Pão de Açúcar, Extra e Extra Fácil (São Paulo) e que chegará à rede CompreBem (São Paulo e Rio de Janeiro) ainda neste ano.

Com as Estações, todo material arrecadado é reutilizado, reduzindo a extração dos recursos naturais e contribuindo com a geração de empregos e renda. Desde a implantação do projeto há sete anos, a empresa já arrecadou cerca de 25 mil toneladas de plásticos, papéis, metais, alumínios e vidros.

Somente em abril de 2008, as 94 lojas participantes receberam mais de 500 toneladas de material, distribuídos em: Papel = 49%; Plástico = 25%; Vidro = 23%; e Metal/alumínio = 3%. O volume vem crescendo a uma média de 35% ao ano e comparado a abril de 2005 é mais que o dobro verificado há dois anos.

Em constante evolução, desde 2007, o projeto realizado pelo Pão de Açúcar introduziu, no ano passado, o recebimento de óleo de cozinha usado. Implantado em 51 lojas, mensalmente são recolhidos 6.500 litros do produto que deixa de contaminar rios e mananciais para serem transformados em biocombustível.

Além de contribuir com a preservação do planeta, as Estações de Reciclagem Pão de Açúcar – Unilever têm um caráter social de geração de emprego e renda. Com os seus mais de 90 postos, são beneficiadas 21 cooperativas de catadores que geram mais de 400 posições de trabalho.

Lançado em São Paulo como projeto piloto em janeiro deste ano, o projeto Caixa Verde já ganhou status de permanência e já está presente em sete lojas da rede Pão de Açúcar.

O objetivo dessa nova proposta de estimulo à reciclagem é que isso seja feito na etapa pré-consumo, com um convite aos clientes para que descartem suas embalagens (papel, papelão e plástico) antes de levá-las para casa, deixando os invólucros na loja e carregando só o produto.

Isso também irá diminuir a demanda de embalagens finais, como as sacolas de supermercado uma vez que há uma diminuição no volume a ser transportado.

Fonte: Literal Link Comunicação Integrada

Bom dia e bom trabalho.

Cresce número de contas internet banking no país

Grande parte dos correntistas bancários no País que são também internautas utiliza os serviços disponíveis de Internet Banking das instituições financeiras. Esse foi um dos principais indicadores que a pesquisa “O Setor Bancário em Números” apresentou no evento promovido pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) nesta terça-feira (dia 27) em São Paulo.

Tomados pela mesma onde de crescimento que multiplicou o número de computadores vendidos no País, fez crescer as compras virtuais e aumentou o número de usuários de Internet, os serviços bancários oferecidos na grande rede registraram, em 2007, um total de 29,8 milhões de contas ativas. Isso significa um crescimento de 9,2% sobre o registrado em 2006. Desse total, 25,3 milhões são de pessoas físicas e 4,5 milhões são contas jurídicas.

“Se considerarmos que ao final de 2007, a população de usuários ativos da Internet com mais de 16 anos era de 40 milhões (cálculos do IBOPE / NetRatins, publicados em março último), o número de clientes Pessoas Físicas de Internet Banking, que superou a cifra de 25 milhões de usuários, representa cerca de dois terços dos internautas”.

Essa proporção aumenta ainda mais se levarmos em conta que parte da população mais jovem (considerada no estudo do Ibope NetRatins) ainda não possui conta bancária.

A pesquisa feita anualmente pela Febraban tem o objetivo de subsidiar as discussões que acontecem no Ciab Febraban, principal congresso das Instituições Financeiras no País.

Esse ano se realiza a XVIII edição desse evento, marcado para São Paulo, entre os dias 11 a 13 de junho de 2008. A pesquisa o “Setor Bancário em Números” é composta por 11 macro-temas e aufere 70 itens variáveis.

Ela estabelece, mostrando números do ano de 2000 em frente, os volumes básicos de importantes índices como: clientes com contas poupança; com Internet Banking; um guia completo das transações bancárias por origem; a quantidade e variedade de ATMs (Caixas Eletrônicos) instalados; o volume e descrição de gastos e investimentos realizados pelos bancos em Tecnologia, entre outros.

Tais índices são essenciais para se compreender a atividade financeira num país em expansão, a incidência de novos modelos de negócios e a movimentação e flutuação dos investimentos em TI.

O Ciab Febraban
A pesquisa será debatida por representantes de todos os bancos durante a XVIII realização anual, o congresso e exposição de TI das instituições financeiras terá sua maior edição.

O evento conta com um congresso de três dias, com painéis de conferências e debates, sob o tema central “Tecnologia e Segurança” que deverá ter mais de 1.500 inscritos. O recinto de exposição conta com 90 estandes, com mais de 80 empresas expositoras, ou um acréscimo de 10% sobre o total dos outros anos.

A edição 2008 atraiu um total de 17 empresas patrocinadoras, enquanto as anteriores contavam com sete. A Febraban espera que o número de visitantes ao evento também quebre os recordes históricos e chegue a 16 mil pessoas.

O congresso terá a participação de 36 conferencistas e debatedores internacionais e 90 brasileiros. A Federação já fez realizar, como eventos preparatórios ao temário do Congresso Ciab, cinco seminários internacionais no Brasil e oito eventos nas maiores capitais da América Latina.

XVIII Ciab Febraban – Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras

Data: 11, 12 e 13 de junho de 2008
Local: Transamérica Expo Center – São Paulo
Av. Dr. Mário Villas Boas Rodrigues 387, Santo Amaro

Organização: Febraban – Federação Brasileira de Bancos
Inscrições e informações, clique aqui.

Fonte: ABCE Comunicação.

Saldo de crédito feito com cartões cresce quase 50%

O volume de recursos movimentados com crédito feitos por intermédio de cartões no Brasil alcançou a marca de R$ 53,3 bilhões no mês de março, de acordo com o Banco Central. O número significa um crescimento de 49% sobre o mesmo mês do ano passado. O BC revela ainda um nível de inadimplência estável e até em ligeiro declínio, enquanto indicadores de outras fontes registram redução no nível de endividamento dos consumidores.

Estudos feitos pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (ABECS) apontam o grande uso da modalidade parcelado lojista e a diversidade de taxas existente na indústria de meios eletrônicos de pagamento como responsáveis por este cenário.

O presidente da ABECS, Felix Cardamone explica que a ampliação do estoque de crédito beneficiou muitos consumidores que parcelaram suas compras sem juros por meio do parcelado lojista, o que é demonstrado pelo aumento da participação desta categoria no total de crédito concedido.

Com isso o crescimento do saldo não tem influenciado negativamente no nível de endividamento das pessoas e nem nos índices de inadimplência. “A portabilidade do crédito e a grande diversidade de meios de pagamento disponível no mercado, têm facilitado o aumento do consumo e trazido benefícios para o dia a dia do consumidor e para os comerciantes com o aumento de vendas” afirma.

Os dados da ABECS apontam para um crescimento de 10 pontos percentuais da utilização do parcelado lojista num período de 12 meses.

Em março de 2007, a modalidade na qual o parcelamento é feito sem a cobrança de juros (parcelado lojista), era responsável por 55% das operações de crédito com cartões. No mesmo mês de 2008, esta participação saltou para 65%, deixando os 35% restantes para serem divididos entre o rotativo (quando o portador escolhe pagar apenas uma parte do valor descrito na fatura) e o parcelado feito pelo próprio emissor (quando o usuário faz a opção de pagar parcelado independente da oferta do lojista).

O Diretor de Comunicação da ABECS, Marcelo Noronha alerta ainda para o fato de que mesmo nestes 35% aos quais incidem a cobrança de juros, as taxas se aproximam de outras modalidades de crédito, ficando inclusive em alguns casos, abaixo de outras alternativas existentes no mercado. Segundo ele, as taxas variam bastante de emissor para emissor dependendo do tipo de cliente tomador de crédito e do produto.

Para a ABECS existe uma variação das taxas disponibilizadas em diversos produtos para os clientes entre 2,2% a 16,0% ao mês, formando uma média de 8,2%. “Uma boa parcela dos clientes têm acesso às taxas mais baixas do segmento, dependendo do seu perfil. Isto faz com que as parcelas caibam em seus orçamentos mantendo a inadimplência sob controle”, afirma.

Segundo o Banco Central, a inadimplência para os casos de contas vencidas há mais de 90 dias no segmento de cartões se mantém estável na casa dos 9% nos últimos três anos. O diretor da ABECS ressalta que no mês de março, inclusive foi registrado uma queda neste indicador. “Em março de 2007 havia 9,2% de contas atrasadas há mais de 90 dias no setor. No mesmo mês deste ano, o índice caiu para 8,5%”, disse.

Outro indicador importante para o diretor da ABECS é o resultado da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) realizada pela Fecomércio, com consumidores da Grande São Paulo.

O estudo mostra que em março o nível de endividamento do consumidor atingiu o menor patamar desde o início da série histórica do levantamento em 2004. O trabalho mostrou que 48% das pessoas ouvidas têm algum tipo de dívida. A média histórica deste levantamento é 62% de endividados.

O índice de comprometimento de renda com dívidas, também calculado pela Fecomércio na PEIC também se encontra num dos menores patamares da história, na casa dos 31%.

“Estes resultados nos deixam muito tranqüilos para afirmar que o crescimento do uso de cartões como instrumento de crédito é totalmente benéfico para os usuários, comerciantes, a própria indústria de meios eletrônicos de pagamento e para a economia do país como um todo”, finaliza Noronha.

Sobre a ABECS
A Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (ABECS) é a representante oficial do setor de meios eletrônicos de pagamento no Brasil.Ela tem sede em São Paulo e foi fundada em 1971.
A ABECS tem entre seus associados emissores de 95% dos cartões de crédito existentes no país. A Associação congrega também bandeiras, credenciadoras e processadoras de cartões de crédito e débito, além dos cartões com marcas próprias de estabelecimentos comerciais (cartões de loja) e cartões de benefícios.
A ABECS tem, atualmente, 37 associadas e busca apoiar o crescimento e a sustentabilidade do setor. A Associação trabalha para que os meios eletrônicos de pagamento sejam utilizados de forma preferencial em toda a transação que envolva venda de produtos e serviços. Além disso, dedica-se para ser referência de seus associados e da sociedade em geral como entidade convergente de informações e procedimentos do mercado.
Fonte: ML&A Comunicações

Abril registra maior número de habilitações na telefonia celular

Com 1.931.693 novas habilitações na telefonia celular, abril de 2008 registrou crescimento de 1,54%.
O número de habilitações de abril é 167,25% maior que as 722.799 adesões registradas no mesmo mês de 2007. É o maior número de adesões no ano e o segundo maior número de habilitações no mês de abril nos últimos dez anos.

Em abril de 2005 foram registradas 2.155.139 habilitações. Com esse resultado, o Brasil chegou a 127.742.756 assinantes no Serviço Móvel Pessoal (SMP). Do total de acessos, 103.278.048 (80,85%) são pré-pagos e 24.464.708 (19,15%), pós-pagos.

Nos últimos 12 meses, o Brasil ganhou 24.867.520 novos assinantes, o que representa um crescimento de 24,17%. A consolidação dos números mensais da telefonia móvel está disponível no portal da Agência Nacional de Telecomunicações“.

Teledensidade
A tendência de crescimento da teledensidade do serviço móvel no País se mantém. Com crescimento de 1,42%, o Brasil alcançou o índice de 66,84. Comparado a abril de 2007, quando o índice era de 54,57, o crescimento foi de 22,48%. A teledensidade é o indicador utilizado internacionalmente para demonstrar o número de telefones em serviço em cada grupo de 100 habitantes.

O Distrito Federal continua liderando a teledensidade móvel brasileira, com índice de 123,02 – ou seja, 1,23 telefone para cada habitante. Comparado com o mês anterior, o índice apresentou, em abril, crescimento de 1,81% (era 120,83). O Rio de Janeiro, segundo colocado no ranking, cresceu 1,47% (subiu de 82,07 para 83,27). Em terceiro no indicador, o Mato Grosso do Sul tem índice de 81,28 e apresentou crescimento de 1,57% (era de 80,03).

Sergipe (índice de 66,53 e crescimento de 2,53%), Maranhão (índice de 30,02 e crescimento de 2,42%) e Piauí (índice de 38,37 e crescimento de 2,09%) obtiveram as melhores taxas de crescimento do indicador no mês de abril. Em 12 meses, Roraima (índice de 50,68), Sergipe e Maranhão ficaram no topo do ranking com taxas de crescimento de 40,71%, 39,22% e 37,19%, respectivamente.

A região Norte lidera agora o crescimento da densidade em 12 meses.

Nesse período, a teledensidade cresceu 29,58%, alcançando o índice de 49,81 (era de 38,44 em abril de 2007). O Nordeste teve a segunda maior taxa de crescimento no período (28,87%) e agora tem índice de 52,74 (era de 40,92 em abril de 2007). Sudeste (índice de 74,29), Centro-Oeste (índice de 83,18) e Sul (índice de 73,17) registraram crescimento de 22,06%, 17,74% e 16,03%, respectivamente.

Mercado
A prestadora Vivo permanece na liderança do mercado brasileiro de telefonia móvel, com 27,20% de participação – era 27,28% em fevereiro. A TIM, com 25,85% de participação (era 25,87%) mantém a segunda colocação. A Claro, com 24,75% (era 24,78%), continua no terceiro lugar.

A Oi, na quarta colocação, registrou 13,96% (era 13,78%) de participação de mercado. A Telemig Celular/Amazônia Celular, em quinto, apresentou redução de 4,29% para 4,22%, enquanto a 14BrasilTelecom GSM aumentou a participação de 3,64% para 3,66%. A CTBC Telecom Celular (de 0,31% para 0,30%) e a Sercomtel Celular (0,06%) possuem a menor participação, mantendo praticamente os mesmos índices registrados nos quatro meses anteriores.

A tecnologia GSM continua em expansão e na liderança do mercado, com 105.690.937 acessos (82,74%). A tecnologia CDMA tem 18.093.579 acessos (14,16%), e a TDMA, 3.946.001 (3,09%). A tecnologia analógica AMPS possui apenas 12.239 acessos (0,01%).

Fonte: Anatel
Bom dia e bom trabalho.