Inteligência Competitiva Tecnológica: Microsoft Teams turns 1, advances vision for Intelligent Communications

This week marks the first anniversary of the worldwide launch of Microsoft Teams. In that time, Teams has grown significantly in both new capabilities and customer usage. Today, 200,000 organizations in 181 markets and 39 languages use Teams, including A.P. Moller–Maersk, ConocoPhillips, Macy’s, NASCAR, Navistar, RLH Corporation, and Technicolor. General Motors is also now using Teams; read more about their story.

This week marks the first anniversary of the worldwide launch of Microsoft Teams. In that time, Teams has grown significantly in both new capabilities and customer usage. Today, 200,000 organizations in 181 markets and 39 languages use Teams, including A.P. Moller–Maersk, ConocoPhillips, Macy’s, NASCAR, Navistar, RLH Corporation, and Technicolor. General Motors is also now using Teams; read more about their story.

Teams for Intelligent Communications and Collaboration

Over the last year, Teams has evolved to become the ultimate hub for teamwork. Built on the strength and scale of Office 365 with over 120 million users, Teams delivers chat-based collaboration, meetings, calling, and soon, full enterprise voice features. All of this is underpinned by the Microsoft Graph, allowing for rich AI capabilities. As part of Office 365, Teams uniquely delivers these capabilities at scale, with enterprise-grade security and compliance standards to meet the needs of a global business.

To advance our vision for Intelligent Communications, we are announcing new Teams features coming later this year, including:

  • Cloud recording—Will provide one-click meeting recordings with automatic transcription and timecoding, enabling all team members the ability to read captions, search within the conversation, and playback all or part of the meeting. In the future, it will also include facial recognition, so remarks can be attributed to specific meeting attendees.
  • Inline message translation—People who speak different languages will be able to fluidly communicate with one another by translating posts in channels and chat.
  • Cortana voice interactions for Teams-enabled devices—Will enable you to easily make a call, join a meeting, or add other people to a meeting in Teams using spoken, natural language. This functionality will extend to IP phones and conference room devices.
  • Background blur on video—The ability to blur your background during video calls will allow other meeting attendees to focus on you, not what’s behind you.
  • Proximity detection for Teams Meetings—This feature will make it easy for you to discover and add a nearby and available Skype Room System to any meeting.
  • Mobile sharing in meetings—Meeting attendees will be able to share a live video stream, photos, or the screen from their mobile device.

These new capabilities build on the breadth of new features that have come to Teams in the last year, including guest access, new ways to interact with apps, and new meeting and calling capabilities.

Today, we are also announcing new enterprise-grade calling features in Teams, including consultative transfer and call delegation and federation. In addition, we’re introducing Direct Routing, which will enable customers to use their existing telephony infrastructure with Teams for calling. When you combine a Microsoft Calling Plan or Direct Routing with our Phone System for Office 365, Teams becomes a full voice service. These new capabilities are expected to be available in the second quarter of 2018.

Intelligent Communications for your devices

Hardware plays a critical part in delivering consistent, high-quality video and voice experiences. We are announcing that Teams is now enabled for a full spectrum of calling and meeting room devices, including:

  • Microsoft collaboration devices—Microsoft Surface Hub is a powerful all-in-one large-screen team collaboration device. Microsoft Teams will be natively supported on Surface Hub, enhancing the capabilities of Teams in huddle spaces and meeting rooms equipped with Surface Hub.
  • Meeting room systems—Lenovo and HP join existing partners Logitech, Crestron, and Polycom to transform the conference room experience with rich audio, HD video, center-of-room control, and one-touch join. All Skype Room Systems will support Teams meetings.
  • Connections to existing equipment—Teams will certify new solutions from BlueJeans, Pexip, and Polycom to support interoperability for meetings in Teams with existing hardware investments.
  • Desk and conference phones—New desk phones from AudioCodes and Yealink—and new conference room phones from Crestron, Polycom, and Yealink—run a native Teams application for consistent and streamlined calling experiences.
  • Mobile phone stations—New mobile phone stations from Plantronics combine the Teams experience with desk phone capabilities for the mobile user.

To learn more about the portfolio of Teams-powered devices and the roadmap dates, visit the Microsoft Tech Community blog.

Growing ecosystem of Teams apps

No ecosystem would be complete without the apps that make it thrive. We recently released a new store in Teams featuring a wide array of tools and services from our partners. Some of the most popular apps among Teams customers include Adobe Creative Cloud, Hootsuite, InVision, Polly, SurveyMonkey, Trello, Wrike,, and many others.

Hear it from our customers

As we celebrate our first birthday, what’s most exciting are the stories of companies like RLH Corporation, Technicolor, and General Motors, for which Teams is truly changing the way people come together, innovate, and move business forward.

  • RLH Corporation—In 2014, when Greg Mount took on the role of CEO at RLH Corporation, parent company to hotel brands like Red Lion Hotels, GuestHouse, and America’s Best Value Inn, he shifted the company’s strategy to move from being a Pacific Northwest regional brand to being a nationwide one. Since then, RLH Corporation has acquired multiple hotel brands, growing from 62 to over 1,100 hotels in just three years. To address change management and help drive a consistent culture within the company, RLH Corporation started using Teams last year. They looked at other chat-based collaboration tools, but because they were already using Office 365 and Power BI, Teams was the clear choice. Now, all corporate employees use Teams. The leadership team has moved from a more in-person and paper-based process for communications to more real-time interaction and data flow.
  • Technicolor—A leader in the media and entertainment sector, Technicolor has used Teams within the Production Services CTO office to provide a new way for employees to collaborate around all things technical—from strategy to purchasing and everything in between. Technicolor Production Services business units are also starting to use Teams for high profile projects that require greater transparency and collaboration across many time zones and global offices, reducing the number of recurring meetings and flow of information internally and benefiting from a sole source of truth with cloud documents. Technicolor Production Services plans to expand its usage within other parts of its organization.
  • General Motors—Here’s what Fred Killeen, CTO at General Motors, had to say about Teams: “Our mission to transform transportation relies on strong teamwork across every aspect of our business. Teams enables our employees to connect across geographical and organizational boundaries through a single place to access all the conversations, files, and content. Teams’ integration with the rest of Office 365 and third-party applications and services makes it easier for our employees to find relevant information and do their best work on their own and as a part of a team.”

Infographic celebrating Microsoft Teams' one-year anniversary.

As we celebrate our first year in market, we are thankful to our customers, partners, and of course those of you who have become avid Teams users for coming on this journey with us. We look forward to continuing to bring you experiences that enable your teams to achieve more together.

Tune in to Microsoft’s keynote at Enterprise Connect this week to hear what’s next in our vision for Intelligent Communications. Watch it live Wednesday, March 14, 2018, at 10 AM EST or watch on-demand at: Enterprise Connect keynote.

Source: Lori Wright, general manager for Microsoft Teams and Skype. on 


Livro: MINDWARE Ferramentas para um pensamento mais eficaz Richard E. Nisbett

Há vários conceitos científicos e filosóficos que podem mudar o modo como solucionamos problemas cotidianos e nos ajudar a pensar de maneira mais efetiva sobre nosso próprio comportamento e o mundo que nos cerca. Mas, por incrível que pareça, ainda não conhecemos muitos deles.
Em Mindware, o renomado psicólogo Richard Nisbett os apresenta de forma acessível e nos mostra como aplicá-los aos problemas do dia a dia. O resultado é um guia prático e esclarecedor sobre as mais poderosas e úteis ferramentas de raciocínio já desenvolvidas. Ao terminar este livro, você certamente estará mais bem preparado para lidar com as dificuldades do dia a dia.

“Toda a sabedoria das pesquisas do século XXI sobre psicologia foram condensadas em um livro maravilhoso! Você dará um passo enorme no que diz respeito a tomar melhores decisões na vida.” — Carol Dweck, autora de Mindset.

Título original: MINDWARE, Tradução: Ângelo Lessa, Capa: Rodrigo Maroja, Páginas: 352
Formato: 16.00 X 23.00 cm, Peso: 0.549 kg, Acabamento: Brochura, ISBN: 9788547000530
Selo: Objetiva


É professor honorário de psicologia na Universidade de Michigan e um dos psicólogos mais respeitados do mundo. Recebeu o Distinguished Scientific Contribution Award da Associação Americana de Psicologia e o William James Fellow Award for Distinguished Scientific Achievements da Associação para a Ciência Psicológica, entre outros. Seus livros já ganharam diversos prêmios e foram traduzidos para mais de dez idiomas.

Inteligência Competitiva Tecnológica: SXSW 2018: O futuro da medicina, segundo Michael Dell

Michael Dell no palco do SXSW 2018 (Foto: Elisa Campos/Época Negócios)


Com qual frequência seu médico consulta uma base de dados no computador ao te tratar? Poucas vezes, talvez nenhuma. Isso pode – e deve – mudar nos próximos anos. É o que defendeu Michael Dell, fundador da companhia de tecnologia que leva seu nome, no SXSW 2018. Filho e irmão de médicos, Michael brinca que, quando estava criando sua empresa, ele deveria, na realidade, estar estudando para também se tornar um médico. “Não deu certo.” Agora, por meio de sua fundação, o empresário parece finalmente ter tomado gosto pelo assunto e investe em iniciativas para melhorar o sistema de saúde.

O segmento, obviamente, não passa incólume pela revolução digital. Assim como todos os outros setores da economia, a saúde está sendo reformulada, mas não rápido o suficiente para Michael. “A transformação digital abre profundas oportunidades de mudanças. Qual a chance de alguém doente procurar um médico e ter algo que ninguém nunca tenha tido entre os 7 bilhões de habitantes do mundo?”, provoca. Em outras palavras, por que não usar esse banco de dados a nosso valor? “Há uma explosão de deep learning e inteligência artificial no globo. Tudo está mais rápido. Isso faz com que seja necessário repensar a maneira como fazemos o que fazemos. Precisamos assumir riscos e inovar.”

Os avanços em inteligência artificial já estão a caminho. “Hoje, a IA já realiza algumas atividades tão bem ou melhor do que os humanos e de forma mais barata, como encontrar células cancerígenas”, afirma Clay Johnston, reitor da Dell Medical School, em Austin, que acompanhou Michael no palco hoje no SXSW.

Para aqueles que se preocupam com a evolução da inteligência artificial, Michael diz discordar que um apocalipse robótico esteja no nosso futuro. “No cômputo geral, a tecnologia trará resultados positivos. A resposta para um sistema de saúde mais eficiente é a equação humanos + máquinas.”

Desafios pela frente

Espaço para a tecnologia ajudar a melhorar a saúde é o que não falta. Há uma infinidade de problemas a serem resolvidos. Os Estados Unidos, por exemplo, gastam cerca de 20% do PIB com o setor, mas têm consistentemente resultados de qualidade piores do que os demais países. “O Reino Unido gasta um terço do que gastamos aqui e tem resultados bem melhores. Vive-se mais em Cuba do que nos Estados Unidos”, afirma Johnston.

Um dos grandes problemas, segundo ele, é a maneira como o paciente paga o médico. A remuneração é feita pela consulta e não pelos resultados do tratamento. “O melhor seria pagar pelos resultados. A tecnologia pode ajudar nisso e, sim, acabará tirando um pouco de  dinheiro dos médicos.” Outra dificuldade atrelada à remuneração é a caixa preta dos hospitais. Quando os pacientes entram nos centros médicos eles nem sequer sabem quanto custa o tratamento que terão. “É uma necessidade gritante termos essa informação. Saber se nossos pontos na perna estão custando US$ 500 ou US$ 5 mil.” Outro ponto importante, de acordo com Johnston, são os incentivos. “Ninguém quer ser um paciente, mas o sistema não premia quem está saudável.”

São todas questões para as quais o mundo digital pode ter respostas. A própria atividade dos médicos deve mudar por causa da tecnologia. E Johnston acredita que isso é uma boa notícia. “Nas escolas de medicina, ainda estamos muito focados em decorar conteúdo. Mas isso não é mais tão importante”, diz. “Agora é possível achar de tudo pelo celular. E isso dará mais tempo para os médicos se dedicarem ao lado humano da medicina. O estado de espírito de um paciente é muito importante para um tratamento.”

Uma maior dependência da tecnologia na saúde, no entanto, traz inegavelmente perigos relacionados à cibersegurança. “As informações de saúde são as mais valiosas na darkweb”, afirma Michael. “Mas, apesar dos riscos de ataques virtuais, temos de compartilhá-las para melhorar a medicina. O que precisamos fazer é nos precaver.” Até porque, como já ficou claro, não dá para parar o futuro.

Fonte: Época Negócios, 10/03/2018 – 17H24 – ATUALIZADA ÀS 17H27 – ELISA CAMPOS, DE AUSTIN (EUA) 

Inteligência Competitiva Tecnológica: SXSW 2018 mostra como será sua vida nos próximos anos

Festival South by Southwest, mais conhecido como SXSW acontece na cidade de Austin, no Texas. Evento reúne vários festivais de música, filmes, games, comédia e educação. (Foto: Reprodução Facebook)


South by Southwest (SXSW) começou oficialmente na sexta-feira (09/03). O evento, realizado em Austin, no Texas (EUA), será realizado até 18 de março e é referência mundial em tecnologiainovação e economia criativa.


Os assuntos discutidos durante a conferência costumam antecipar tendências do que irá transformar o mundo nos próximos anos.

Em 2018, as palestras, painéis e exibições que se espalham pela capital do Texas abordarão temas como o crescimento do uso do blockchain, o amadurecimento do mercado da realidade virtual e a onipresença da inteligência artificial em nossas vidas.

Dentre os palestrantes do SXSW, destacam-se nomes como Michael Dell, fundador da empresa de tecnologia que leva seu sobrenome; Melinda Gates, cofundadora da Fundação Bill e Melinda Gates; Spike Lee, cineasta; e Miguel McKelvey, cofundador da rede de escritórios compartilhados WeWork.

O Brasil tem uma participação significativa no SXSW – é a segunda maior delegação de estrangeiros no evento. Segundo a Apex-Brasil, os empreendedores do país devem movimentar US$ 41 milhões durante a conferência.

O SXSW contará com uma cobertura especial de Época NEGÓCIOS. Fique ligado no nosso site e nas redes sociais e saiba o que de mais legal está acontecendo por lá.

Fonte: Época Negócios

Inteligência Competitiva Tecnológica: 10 avanços da tecnologia para ficar de olho em 2018, segundo o MIT

O computador quântico da IBM (Foto: Reprodução/Instagram)

Duelo de redes neurais, embriões artificiais, inteligência artificial na nuvem. Desde 2001, a MIT Technology Review faz uma lista anual dos principais avanços tecnológicos que vão afetar profundamente a vida das pessoas. Veja o que nos aguarda em 2018:

Impressora 3d (Foto: Thinkstock)

Impressão 3D de metais
A impressão 3D já existe há décadas, mas ainda é mais usada como hobby ou para a produção de protótipos. E imprimir qualquer coisa que não fosse plástico – especialmente metal – era caro e demorado. Agora, contudo, o preço está caindo e a impressão está se tornando tão mais fácil que pode ser usada de forma mais prática na produção de itens. Se for amplamente adotada, isso pode mudar o modelo de produção industrial.

No curto prazo, diz o MIT, as indústrias não precisarão mais manter grandes estoques. No longo prazo, grandes fábricas que produzem em massa uma quantidade limitada de peças podem ser substituídas por plantas menores com maior variedade de produtos e que possam se adaptar às necessidades dos consumidores.

Embrião artificial criado a partir de células-tronco de ratos (Foto: Universidade de Cambridge)

Embriões artificiais
Em um avanço que redefine a forma como a vida é criada, embriologistas da Universidade de Cambridge conseguiram criar embriões de ratos usando apenas células-tronco de outro embrião, sem óvulo ou espermatozoide algum. Os pesquisadores colocaram as células em um molde tridimensional e elas começaram a se comunicar e a se alinhar, tomando a forma de um embrião de vários dias. “Nós sabemos que o potencial das células-tronco é mágico. Mas não sabíamos que elas podem se organizar de forma tão bonita e tão perfeita”, afirmou Magdelena Zernicka-Goetz, líder do time de pesquisa. Ela afirma que os embriões sintéticos provavelmente não poderiam se tornar um rato no futuro, mas o feito dá uma dimensão de que pode ser possível criar mamíferos dessa forma. O próximo passo é criar um embrião usando células-tronco humanas, em um processo de pesquisa que já foi iniciado nas universidades do Michigan e de Rockefeller. Isso vai ajudar os cientistas a entenderem o processo de diferenciação das células.

cidades inteligentes (Foto: Thinkstock)

Cidades sensíveis
Vários projetos de cidades inteligentes estão atrasados, reduziram os seus objetivos ambiciosos ou excluíram todos que não são ricos. Mas um projeto em Toronto, chamado Quayside, pretende mudar esse histórico de fracassos nas tentativas de repensar o urbanismo. O Sidewalk Labs, da Alphabet, está colaborando com o governo canadense no projeto. Um dos objetivos dele é basear as decisões sobre design, política e tecnologia em dados de uma extensa rede de sensores, que recolheram informações sobre a qualidade do ar, o nível de ruídos e as atividades das pessoas. O projeto prevê que todos os veículos serão autônomos e compartilhados. Robôs irão caminhar no subsolo para fazer coisas como entregar cartas. E todos os softwares e sistemas serão abertos, para que as pessoas possam criar outras soluções em cima da ferramenta.Tecnologia ; inteligência artificial ; AI ; IA ; inovação ; (Foto: Thinkstock)


Inteligência artificial para todos
A inteligência artificial por enquanto foi usada principalmente por grandes empresas de tecnologia ou startups. Mas, para a maioria das empresas, a inteligência artificial ainda é muito cara e difícil de ser implementada. Hoje, no entanto, ferramentas de aprendizado de máquinas baseadas na nuvem estão levando a IA a um número cada vez maior de pessoas e empresas. Não está claro qual será a companhia líder nesse segmento, mas Amazon, Google e Microsoft estão trabalhando para assumir a dianteira. Afinal, há grandes oportunidades. O aprendizado de máquina será essencial para a revolução da inteligência artificial e sua disseminação em diferentes áreas. A tecnologia no futuro poderá trazer mais eficiência para setores como medicina, indústria e energia.

Redes neurais em duelo
A inteligência artificial é muito boa para identificar coisas. Entre um milhão de imagens, consegue destacar a de um pedestre atravessando a rua. Mas a tecnologia ainda não consegue gerar a imagem de um pedestre sozinho. Se isso fosse possível, ela poderia criar imagens realistas de pedestres em vários cenários, onde a tecnologia dos carros autônomos poderia ser treinada sem que fosse necessário colocar o automóvel na rua, por exemplo. O problema é que criar algo completamente novo requer imaginação – e até agora os robôs não conseguem ser criativos. Mas uma possível solução foi criada por Ian Goodfellow, da Universidade de Montreal, em uma discussão em 2014.

A abordagem, conhecida como rede contraditória generativa (GAN, na sigla em inglês), usa duas redes neurais e coloca uma contra a outra como em um jogo. As duas redes têm o mesmo repertório de dados. Uma delas, conhecida como geradora, tem a tarefa de criar variações em imagens que já conhece – como um pedestre com três braços, por exemplo. A segunda, discriminadora, deve identificar se a imagem é real ou se foi criada pela rede geradora – basicamente, precisa dizer se essa pessoa com um braço a mais é real.

Com o tempo, o gerador se torna tão bom em produzir imagens que o discriminador não consegue detectar as falsas. Essencialmente, o gerador aprende a reconhecer e criar imagens realistas de pedestres. Essa tecnologia é considerada um dos maiores avanços da inteligência artificial na última década, e conseguiu gerar imagens que enganam até mesmo os humanos. Mas os resultados não são sempre perfeitos. Os GANs podem criar bicicletas com dois guidões ou rostos com a sobrancelha no lugar errado.

Pixel Buds, o fone de tradução simultânea do Google (Foto: Divulgação)

Fones de tradução simultânea
Pode até parecer ficção científica, mas o Google criou um fone que traduz quase em tempo real, o Pixel Buds. Uma pessoa usa o fone e fala em sua própria língua, enquanto outra segura um celular, que reproduz o que foi falado no idioma escolhido. A pessoa sem o fone responde, e o tradutor repete na língua escolhida diretamente no fone. Alguns aplicativos já faziam coisas similares, no entanto, dependendo do nível de ruído ambiente, tinham dificuldade de entender o que foi dito ou quando a pessoa parou de falar e é hora de fazer a tradução. Mas o Pixel Buds não tem esse problema, porque o usuário pressiona um botão quando está falando. Outro benefício é que é possível olhar nos olhos da outra pessoa. Ainda há problemas com o dispositivo, mas que podem ser corrigidos.

Gás natural sem carbono
O mundo ainda depende do gás natural como uma das principais fontes para se produzir eletricidade, e isso não deve mudar no futuro próximo. Barato e disponível, o combustível é a origem de 22% da geração de energia do mundo. Mas as emissões de carbono são preocupantes. Uma usina nos EUA está testando uma tecnologia que poderia tornar o gás natural uma energia limpa, capturando todo o dióxido de carbono gerado.

A usina coloca o gás carbônico produzido na queima do gás natural em uma câmara de alta pressão e alta temperatura. O fluido que resulta desse processo é usado para movimentar uma turbina. Dessa forma, a maior parte do dióxido de carbono poderia ser reciclada continuamente.

ciberataque - hacker - ataque - cibersegurança - computador - vírus - hackers (Foto: Kacper Pempel/Reuters)

Privacidade online
Uma ferramenta de privacidade vai permitir que o usuário prove que tem mais de 18 anos sem revelar sua data de nascimento, ou que tem dinheiro o suficiente para fazer uma transação financeira sem precisar compartilhar detalhes de sua conta bancária. Isso limita o risco de roubo de identidade. Trata-se de um protocolo criptografado conhecido como prova de conhecimento zero.

Apesar de vários pesquisadores trabalharem em uma tecnologia similar há anos, a prova de conhecimento zero foi criada com o Zcash, uma moeda digital lançada no final de 2016. Seus desenvolvedores desenvolveram um método conhecido como zk-SNARK para que os usuários da moeda pudessem fazer transações anonimamente. Isso não é possível no caso da maioria das criptomoedas, como o bitcoin, porque nelas as transações são visíveis a todos – ainda que teoricamente sejam anônimas, é possível chegar à identidade de um usuário cruzando os dados da rede.

Para os bancos, essa tecnologia pode ser uma forma de usar o blockchain em sistemas de pagamentos sem sacrificar a privacidade dos clientes, por exemplo.

Estrutura do DNA (Foto: Thinkstock)

Adivinhação genética
Após anos de enormes estudos genéticos – alguns dos quais envolveram mais de um milhão de pessoas – a ciência comprovou que a maioria das doenças mais comuns, comportamentos e traços de personalidade são ditados pelos genes. Os cientistas estão criando uma “análise de risco poligênica”. Apesar de os testes de DNA oferecerem probabilidades, e não diagnósticos, eles podem ajudar a medicina. Por exemplo, se uma mulher tem mais chances de desenvolver câncer de mama, precisa fazer exames com mais frequência do que uma com pouco risco de ter essa doença. As farmacêuticas também podem usar essa análise para desenvolver remédios preventivos para doenças como Alzheimer ou problemas cardíacos. Escolhendo voluntários com maiores chances de ter a doença específica, os pesquisadores podem avaliar os testes de forma mais precisa.

O problema é que as previsões não são perfeitas. Quem quer realmente saber se pode desenvolver Alzheimer? E se uma pessoa com baixo risco de câncer deixar de fazer os exames periódicos e acabar com a doença? Outra questão controversa é que a análise de genes pode prever qualquer traço, não apenas doenças. Por exemplo, pode prever cerca de 10% do desempenho de uma pessoa em testes de QI. Como os pais e educadores irão usar esse tipo de informação para a educação das crianças?

O salto da computação quântica
A computação quântica traz um enigma. Ela será capaz de realizar tarefas impensáveis para as máquinas atuais, mas ainda não sabemos para que usar todo esse poder. Segundo o MIT, uma possibilidade será desenhar moléculas precisamente. Os químicos sonham com proteínas novas para criar drogas mais eficazes, eletrólitos para baterias melhores, compostos que transformam a luz do sol em combustível líquido e painéis solares mais eficientes. Isso ainda não é possível porque desenvolver uma molécula em um computador convencional é difícil demais. Simular o comportamento de elétrons em moléculas relativamente simples já é complexo demais para os computadores atuais. Mas esse será um cálculo natural para os computadores quânticos, que em vez de usar bits que representam 1 ou 0, utilizam qubits, que são eles mesmos sistemas quânticos. Recentemente, pesquisadores da IBM usaram um computador quântico com sete qubits para desenhar uma pequena molécula feita de três átomos.

Fonte: 03/03/2018 – 12H28 – ATUALIZADA ÀS 12H29 – POR ÉPOCA NEGÓCIOS ONLINE 

Inteligência Competitiva Tecnológica: Inteligência artificial gera vantagem competitiva hoje, por Oscar Salazar

inteligência artificial (AI) foi, por muito tempo, vista como uma tecnologia inovadora e moderna, porém um investimento desnecessário do ponto de vista dos negócios. Hoje não mais. A AI emerge como um elemento chave para as estratégias de negócio em todas as indústrias. Em um recente relatório, a Forrester previu um aumento nos investimentos em AI de mais de 300% em 2017, em comparação com 2016.

No Brasil, a inteligência artificial já começa a ganhar orçamento próprio dentro das organizações. A busca pela redução de custos e aumento de produtividade vêm alavancando o uso de soluções que envolvem robôs capazes de conversar com os clientes e de sistemas que analisam milhares de dados em poucos segundos. O volume de recursos destinado a esse segmento no país vai aumentar mais de cinco vezes em 2018 em relação ao ano passado. 

O mais importante no momento é entender como essa tecnologia inovadora está permitindo que as empresas aproveitem seus dados para melhorar a eficiência e a produtividade no local de trabalho, ao mesmo tempo em que oferece resultados tangíveis do ponto de vista do negócio.

Inteligência artificial na área de Recursos Humanos

Os recursos humanos não são tipicamente uma área que nos vêm à mente quando pensamos em onde podemos aplicar inteligência artificial. Mas a tecnologia baseada em IA pode ajudar as organizações a classificarem muito mais rapidamente milhares de candidatos a emprego, em uma fração do tempo que levaria um ser humano. Especialmente nos dias de hoje, quando ferramentas de trabalho online permitem o disparo de aplicações de candidatos mais rapidamente do que nunca, as equipes de RH beneficiam-se dessa assistência da AI para triar algumas dúzias certeiras de candidatos a partir de um conjunto de centenas ou mesmo milhares de pessoas.

Claro que a inteligência artificial não pode tomar a decisão final da contratação – algumas etapas do processo requerem instinto humano inato. Dito isto, AI pode sim ampliar e otimizar o tempo disponível da equipe de recursos humanos, para que se concentrem em recrutar os profissionais mais adequados para uma entrevista, ao invés de perderem tempo selecionando e filtrando centenas de currículos de candidatos que definitivamente não se enquadram no perfil da vaga.

Inteligência artificial e a vantagem competitiva

A vantagem competitiva é provavelmente o maior (e mais óbvio) benefício que a inteligência artificial traz para as empresas. Uma recente pesquisa da Infosys com 1.600 executivos de negócios e de TI revelou que IA é uma prioridade de longo prazo, com 76% dos entrevistados concordando que essa tecnologia é “fundamental para o sucesso da estratégia de sua organização”. Veja a Ford Motors, por exemplo. No início de 2017 a empresa anunciou um plano para investir US$ 1 bilhão nos próximos cinco anos na Argo, uma startup de inteligência artificial focada em desenvolver tecnologia de veículos autônomos.

A Bosch é outra companhia que coloca a AI na vanguarda dos negócios com sua “fábrica do pensamento”, que habilita as máquinas alimentadas por IA a autodiagnosticar falhas técnicas, desencadear automaticamente o pedido de peças de reposição e antecipar as necessidades de manutenção. O ponto principal aqui é que, hoje, as empresas já estão enxergando valor no investimento em inteligência artificial. E aquelas que hesitarem a abraçar essa tendência correm o risco de nunca se recuperarem.

A inteligência artificial não é portanto a tecnologia do amanhã, pois já impacta na maneira como as empresas operam. A IA permite que as organizações tenham acesso a dados históricos em tempo real e tomem as melhores decisões em relação ao gerenciamento da força de trabalho, às estratégias de marketing, retenção de clientes, entre outras possibilidades, o que as torna mais aptas a atuarem nesse mundo cada vez mais complexo e competitivo.

Fonte: Oscar Salazar*, Computerworld

*Oscar Salazar é Vice Presidente de Vendas da ClickSoftware para América Latina.

O brasileiro quer educação para já, por Priscila Cruz

É muito comum ouvirmos que o brasileiro não valoriza a educação. De fato, em diversas pesquisas ao longo dos últimos anos, quando perguntado sobre o que é mais importante fazer pelo Brasil, costuma-se posicionar o tema atrás de saúde, emprego, combate à corrupção e segurança.

Mas se olharmos com mais profundidade, qual a razão por trás disso? Não valorizamos a educação ou perdemos a confiança na capacidade da gestão pública de promover alguma solução no curto prazo, horizonte em que se notam resultados concretos e visíveis?

Busquemos investigar esses dois pontos: confiança na gestão pública e viabilidade de melhorias rápidas. Em levantamento realizado pela empresa de pesquisa Ideia Big Data a pedido do Todos Pela Educação, fizemos a 3 mil pessoas uma pergunta diferente das usuais: se você passasse a ter uma renda extra no mês, o que faria? Investir em sua educação ou na de seus filhos foi a alternativa mais votada em primeiro e segundo lugares, à frente de opções como aplicar na poupança, reformar a casa, abrir um negócio e melhorar o plano de saúde.

A má notícia é que esse dado mostra que deixaram de confiar no poder público e, consequentemente, de nutrir expectativas de que dele venha uma educação de qualidade.

Em outro estudo realizado pelo mesmo instituto com 1.500 brasileiros, 85,8% disseram crer que a escola pública vem piorando ano após ano. Especificamente entre os consultados das classes C, D e E, 70% matriculariam seus filhos na rede particular em razão de uma suposta “melhor qualidade de ensino”. Entretanto, as evidências apontam um valor agregado semelhante ao das instituições públicas.

Além dessa falsa percepção, uma explicação razoável é o desejo por uma boa educação agora, não a que virá daqui a alguns ou muitos anos, fruto de boas políticas providas justamente pelos entes públicos dos quais esperam pouco ou nada. Desilusão, menos esperança, queda de expectativa, essa é receita certa para nos manter onde estamos ou até para piorar ainda mais a situação pela via de soluções fáceis, rasas e populistas (que muitos candidatos, oportunamente, vendem aos seus eleitores).

Ao contrário do senso comum, as famílias e a sociedade, no geral, querem, sim, mais educação. A questão é o prazo: o desejo é para já, de modo que usufruam imediatamente os benefícios, não daqui a 30 anos. Como unir as duas pontas, ou seja, proporcionar um grande salto de qualidade e equidade na educação básica pública sem que tenhamos de esperar por décadas?

Primeiro, é importante perceber onde estamos pisando. Há um grave cenário de estagnação da aprendizagem. Quase 55% das crianças estão praticamente analfabetas no terceiro ano do ensino fundamental. Como aceitar um país que, na largada, simplesmente descarta boa parte do seu futuro? Que aceita crianças analfabetas aos 8 anos de idade?

O resto da história dificilmente seria outro: de cada 100 crianças que ingressam no ensino fundamental, somente 65 concluem o ensino médio. E entre estas o panorama é ainda mais grave: apenas 7% com aprendizagem adequada em Matemática e 28% em Português. Entre essas 65, só 7 dão sequência à trajetória escolar e rumam para o ensino superior. O restante fica pelo caminho.

Não há, portanto, um percurso para a melhoria significativa da educação sem que ela seja de fato uma prioridade da Nação. O panorama atual reflete uma herança de anos de descaso e negligência com o tema. E não há possibilidade de vivermos num país socialmente mais justo, economicamente mais competitivo, inovador, seguro, saudável e ético sem educação de qualidade para todos.

A boa notícia é que é possível avançarmos, com resultados consideráveis, já nos próximos anos. Para isso se faz necessário um conjunto de ações que ataquem os reais problemas da educação de forma sistêmica.

Fazem parte das respostas: 1) Uma governança federativa que elimine sobreposições e estimule uma colaboração efetiva e coesa entre os entes; 2) um sistema de financiamento com menor desigualdade entre as redes e que induza ainda mais a qualidade; 3) o incremento da capacidade técnica das Secretarias de Educação nos níveis estadual e municipal; 4) maior foco, da parte das redes de ensino, na orientação no e apoio pedagógico às escolas, de modo a estabelecer objetivos e metas de aprendizagem claras e organizadas num currículo, com recursos didáticos adequados, formação continuada, instrumentos de avaliação formativa, bem como programas de reforço e recuperação para que nenhum aluno fique para trás; 5) reforço de mecanismos de gestão dos recursos humanos das redes de ensino, envolvendo legislação e planos de carreira dos profissionais da educação; 6) adequação da infraestrutura física para a aprendizagem em todas as escolas brasileiras; 7) organização acadêmica e estrutura de funcionamento dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio de modo a incentivar o protagonismo juvenil e cumprir um currículo à altura dos desafios do mundo atual; 8) incremento na gestão escolar, compreendendo direção e coordenação pedagógica, com foco em autonomia, preparo técnico e atuação focada na liderança do trabalho pedagógico e de gestão da aprendizagem; 9) valorização social da carreira docente, tornando-a opção atrativa para os jovens, assim como fornecimento de estrutura de formação e condições de trabalho necessárias para os desafios cotidianos em sala de aula; e 10) reversão da cultura de reprovação e naturalização da não aprendizagem, que alimentam um cenário de alta defasagem e de imobilismo do sistema.

Aqui, vejam, não há soluções mágicas nem pontuais. Um tema de políticas públicas complexo, com histórico de descaso e deficiências acumuladas, necessita de uma abordagem sistêmica, intensiva e com gestão de alto padrão.


Artigo publicado em O Estado de S.Paulo, 10/3/2018